sexta-feira, 11 de outubro de 2019

5° BAILE BENEFICENTE AMIGOS DO GASPEC



Brasileiro com câncer terminal terá alta após terapia genética pioneira obter sucesso pela 1ª vez na América Latina

Um paciente de 62 anos que tinha linfoma em fase terminal e tomava morfina todo dia deve receber alta no sábado (12) após ser submetido a um tratamento inédito na América Latina. Ele deixará o hospital livre dos sintomas do câncer graças a um método 100% brasileiro baseado em uma técnica de terapia genética descoberta no exterior e conhecida como CART-Cell.
Nobel de Medicina 2018 premia americano e japonês por terapia contra o câncerTerapia genética contra o câncer: estudos mostram boas taxas de remissão, mas fortes efeitos colaterais
Os médicos e pesquisadores do Centro de Terapia Celular (CTC-Fapesp-USP) do Hemocentro, ligado ao Hospital das Clínicas de Ribeirão Preto, apontam que o paciente está "virtualmente" livre da doença. Os especialistas, no entanto, não falam em cura ainda porque o diagnóstico final só pode ser dado após cinco anos de acompanhamento. Tecnicamente, os exames indicam a "remissão do câncer".
Os pesquisadores da USP - apoiados pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) e pelo Conselho Nacional de Pesquisa (CNPq) - desenvolveram um procedimento próprio de aplicação da técnica CART-Cell.
Essa técnica, ainda recente, foi criada nos EUA, está em fase de pesquisas e é pouco acessível. No EUA, os tratamentos comerciais já receberam aprovação e podem custar mais de US$ 475 mil.
O paciente submetido ao tratamento no Brasil é o mineiro Vamberto Luiz de Castro, funcionário público aposentado de 62 anos. Antes de chegar ao interior de São Paulo, ele tentou quimioterapia e radioterapia, mas seu corpo não respondeu bem a nenhuma das técnicas.
Em um tratamento paliativo, com dose máxima de morfina, o paciente deu entrada em 9 de setembro no Hospital das Clínicas em Ribeirão com muitas dores, perda de peso e dificuldades para andar. O tumor havia se espalhado para os ossos.O prognóstico de Castro, de acordo com os médicos, era de menos de um ano de vida. Como uma última tentativa, os médicos incluíram o paciente em um "protocolo de pesquisa" e testaram a nova terapia, até então nunca aplicada no Brasil.
A CART-Cell é uma forma de terapia genética já utilizada nos Estados Unidos, Europa, China e Japão. Esse método consiste na manipulação de células do sistema imunológico para que elas possam combater as células causadoras do câncer.
Terapia genética
A estratégia da CART-Cell consiste em habilitar células de defesa do corpo (linfócitos T) com receptores capazes de reconhecer o tumor. O ataque é contínuo e específico e, na maioria das vezes, basta uma única dose.
Rápida melhora
Segundo os médicos, Castro respondeu bem ao tratamento e logo após quatro dias deixou de sentir as fortes dores causadas pela doença. Após uma semana, ele voltou a andar.
"Essa primeira fase do tratamento foi milagrosa", disse ao G1 o hematologista Dimas Tadeu Covas, coordenador do Centro de Terapia Celular (CTC-Fapesp) e do Instituto Nacional de Células Tronco e Terapia Celular, apoiado pelo CNPq e pelo Ministério da Saúde.
"Não tem mais manifestação da doença, ele era cheio de nódulos linfáticos pelo corpo. Sumiram todos. Ele tinha uma dor intratável, dependia de morfina todo dia. É uma história com final muito feliz."Vamberto Luiz de Castro, 62, é funcionário público aposentado de BH e sofria de um linfoma terminal — Foto: Hugo Caldato/Hemocentro RP/Divulgação100% brasileiro
Renato Luiz Cunha, outro dos responsáveis pelo estudo, explicou que a terapia genética consegue modificar células de defesa do corpo para atuarem em combate às que causam o câncer.
"As células vão crescer no organismo do paciente e vão combater o tumor", disse Cunha. "E desenvolvemos uma tecnologia 100% brasileira, de um tratamento que nos EUA custa mais de R$ 1 milhão. Esperamos que ela possa ser, no futuro, acessível a todos os pacientes do SUS."
Cunha recebeu, em 2018, o prêmio da Associação Americana de Hematologia (ASH), nos EUA, para desenvolver este estudo no Brasil.Equipe médica que atendeu ao aposentado Vamberto Luiz de Castro no Hospital das Clínicas de Ribeirão Preto — Foto: Divulgação/HCFMRP/Divulgação“É um tratamento caro e que requer um desenvolvimento científico importante”, explica Cunha.
No ano passado a agência norte-americana de vigilância sanitária (FDA), aprovou nos EUA a primeira terapia gênica do mercado para leucemia linfoide aguda. Porém, o tratamento é caro e chega a custar US$ 475 mil dólares.
O tratamento ainda não está liberado na rede pública ou privada de saúde, por isso, Cunha explicou que, para o paciente ser atendido no hospital universitário, o encaminhamento foi aprovado por uma comissão de ética.
O hematologista Rodrigo Calado, professor da FMRP-USP e membro do CTC, afirma que “esse tratamento foi possível pelo investimento em pesquisa e formação de pessoas feito pela Fapesp e CNPQ ao longo dos anos e que agora se traduz em um tratamento melhor e mais eficaz em casos de linfomas refratários.”
Perspectivas para o SUS
Dimas Tadeu Covas, que coordena o Centro de Terapia Celular do HC de Ribeirão, disse que o procedimento poderá ser reproduzido em outros centros de excelência do país, mas não dá datas. Isso porque, segundo ele, depende de laboratórios controlados com infraestrutura adequada.
"Devido à complexidade do tratamento, ele também só pode ser feito em unidades hospitalares com experiência em transplante de medula óssea", disse o pesquisador. "Isso porque, durante o processo, a imunidade é comprometida. O paciente tem que ficar isolado, não pode ficar exposto. Não são todos os hospitais que podem fazer esse tipo de tratamento. Além disso a terapia tem efeitos colaterais."
A resposta imune progressiva pode causar febres altas, náuseas e dores musculares. Os pesquisadores não eliminam o risco de morte, e reconhecem que a forte baixa no sistema imunológico traz um potencial fatal para alguns pacientes.
De acordo com os envolvidos na pesquisa, antes de o tratamento ser disponibilizado para o Sistema Único de Saúde (SUS), ele precisa cumprir os requisitos regulatórios da Anvisa. O chamada "estudo clínico compassivo" continua e deverá incluir mais 10 pacientes nos próximos 6 meses.
Se as etapas de estudos e pesquisas continuarem a se manter promissoras, Covas avalia que o tratamento pode ser adotado em larga escala com adaptações nos laboratórios de produção. “Os investimentos necessários para ampliação da capacidade produtiva são de pequena monta, da ordem de R$ 10 milhões”, afirma Covas.

*Do G1.

quinta-feira, 10 de outubro de 2019

REUNIÃO DO GASPEC ULTIMANDO OS PREPARATIVOS PARA O 5° BAILE

Anteontem realizamos uma reunião muito produtiva, todos os encaminhamentos para o Baile foram definidos e formadas as equipes.
Se por algum motivo alguém deixou de participar, fique a vontade para se integrar às equipes.
A participação de todos é muito importante.

segunda-feira, 7 de outubro de 2019

APODI-RN: Um show para exaltar a vida e o bem-querer

No dia 11 de outubro, na Associação Cultural Desportiva Apodiense (ACDA) será palco para um grande espetáculo de solidariedade e amor ao próximo.
Nesse dia, será realizado um evento para angariar recursos em prol do Grupo de Assistência às Pessoas com Câncer - GASPEC. Esta é a 5ª edição do Baile Beneficente realizado pelos Amigos do Gaspec.
O evento tem início previsto para as 22h da sexta-feira, 11, (véspera de feriado nacional) e tem como atrações a banda Radiola Club e a participação especial do amigo Jairo César.
Uma noite para recordar!
Toda a renda arrecadada pelo evento será revertida para o Grupo de Assistência às Pessoas com Câncer – GASPEC de Apodi.
O show beneficente intitulado “5° Baile Beneficente Amigos do Gaspec” foi idealizado por seus componentes. Entre os idealizadores estão Ideusa Gurgel, Lucineide Costa, Airton do Carmo e Marilac Soares.


Informações e mesas à venda:
Os interessados em participar do evento e colaborar com esse gesto de solidariedade já podem adquirir mesas antecipadamente, que estão sendo comercializadas pelos membros do GASPEC.
Abrace essa causa e junte-se a nós! Reserve já sua mesa ao preço de R$ 80,00.

domingo, 6 de outubro de 2019

Domingo, dia 6, tem início a Assembleia Especial do Sínodo para a Pan-Amazônia

“Amazônia: novos caminhos para a Igreja e para uma ecologia integral” é o tema escolhido pelo Papa Francisco para esta edição. O objetivo principal da convocação é identificar novos caminhos para a evangelização daquela porção do Povo de Deus, especialmente dos indígenas, frequentemente esquecidos e sem perspectivas de um futuro sereno, também por causa da crise da Floresta Amazônica, pulmão de capital importância para nosso planeta.
Em entrevista ao jornal espanhol La Stampa, de 8 de agosto deste ano, o Papa Francisco disse ser o Sínodo filho da Laudato Sí, uma encíclica social baseada no cuidado da Criação na qual o Santo Padre afirma que tudo está interligado. Para o Santo Padre “quem não a leu jamais entenderá sobre o Sínodo sobre a Amazônia”.
Processo de preparação – De junho 2018 a abril deste ano, foram realizadas, nos nove países que integram a região Pan-Amazônica (Brasil, Peru, Colômbia, Bolívia, Venezuela, Guiana, Guiana Francesa e Suriname), uma série de atividades como parte do processo de escutas pré-sinodais coordenado pela Rede Eclesial Pan-Amazônica (REPAM). A escuta ouviu os povos amazônicos e da floresta (indígenas, ribeirinhos, quilombolas, mulheres, juventudes, religiosos e religiosas, etc).
Ao todo foram realizadas 57 assembleias, 21 fóruns nacionais, 17 fóruns temáticos e 179 rodas de conversa. No Brasil, foram realizadas 182 atividades. Como fruto desta escuta, a secretaria-executiva do Sínodo elaborou o Instrumentum Laboris (Instrumento de Trabalho) do Sínodo Amazônico, material a ser estudado pelos bispos como preparação ao evento. O documento pode ser acessado no hot-site oficial do evento: http://www.sinodoamazonico.va.
O Vaticano divulgou a lista de participantes dia 21 de setembro deste ano. O papa convocou bispos dos 9 países que integram a Pan-Amazônia. O Brasil terá a maior delegação entre os participantes, sendo 58 bispos da região amazônica, além de outros nomes na cúpula do encontro como o cardeal brasileiro dom Claudio Hummes que é o relator geral do sínodo. O presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), dom Walmor Oliveira também participará. O pontífice convidou cientistas, nomes ligados à Organização das Nações Unidas (ONU), representantes de igrejas evangélicas, de ONGs e povos indígenas A previsão é de mais de 250 participantes.

Significado e história – Etimologicamente, a palavra “sínodo” deriva dos termos gregos “syn” (que significa com, em conjunto) y “odos” (que significa caminho), expressando a ideia de caminhar juntos. O Sínodo dos Bispos pode ser definido, em termos gerais, como uma assembleia de Bispos que representa o episcopado de todo o mundo e tem como tarefa ajudar o Papa no governo da Igreja, com o seu conselho, para procurar soluções pastorais que tenham validade e aplicação universal. É, portanto, um organismo consultivo e não deliberativo.
Mais de 40 anos depois da sua criação, por Paulo VI (15.09.1965), a experiência sinodal caminha para a sua XII assembleia ordinária, a que se junta duas assembleias extraordinárias e oito especiais. Esta instituição permanente nasceu como resposta aos anseios dos padres do II Concílio do Vaticano, como forma de manter vivo o espírito de colegialidade nascido na experiência conciliar. Ainda Arcebispo de Milão, Paulo VI foi um dos principais motores da ideia de uma “contínua colaboração do episcopado”. Já como Papa, no discurso inaugural da última sessão do Concílio (14.09.1965), tornou pública a sua intenção de instituir o Sínodo dos Bispos.
A finalidade de cada assembleia sinodal é a de viver uma experiência de colegialidade entre o episcopado e o Papa. Após a realização do Sínodo, é prerrogativa do Papa decidir se pública ou não uma exortação apostólica a partir das reflexões. Depois da última edição de um sínodo, de 03 a 28/10/2018, em Roma, cujo tema foi: “Os jovens, a fé e o discernimento vocacional”, o papa publicou a exortação apostólica “Christus Vivit” dirigida aos jovens e à Igreja no mundo.
Oração pelo Sínodo
Deus Pai, Filho e Espírito Santo, iluminai com a vossa graça a Igreja que está na Amazônia.
Ajudai-nos a preparar com alegria, fé e esperança o Sínodo Pan-Amazônico: “Amazônia: novos caminhos para a Igreja e para uma ecologia integral”.
Abri nossos olhos, nossa mente e coração para acolhermos o que vosso Espírito diz à Igreja na Amazônia.
Suscitai discípulas e discípulos missionários, que, pela palavra e o testemunho de vida, anunciem o Evangelho aos povos da Amazônia, e assumam a defesa da terra, das florestas e dos rios da região, contra a destruição, poluição e morte.
 

*Fonte: CNBB.

5º BAILE BENEFICENTE "AMIGOS DO GASPEC"!!!!!


Reflexão para o XXVII Domingo do Tempo Comum- Lucas 17,5-10 ( Ano C)

O texto evangélico que a liturgia deste vigésimo sétimo domingo do Tempo Comum nos apresenta continua a nos situar no longo caminho de Jesus para Jerusalém, com os seus discípulos. É certo que nesse longo caminho muitos obstáculos são encontrados, enfrentados e superados. Como esse caminho é, sobretudo, um itinerário formativo para o discipulado de todos os tempos, os obstáculos se estendem também aos leitores e leitoras do Evangelho de Lucas, tanto no que diz respeito às exigências para o seguimento de Jesus, quanto à compreensão daquilo que o texto quer dizer. Diante disso, podemos afirmar que o texto de hoje – Lc 17,5-10 – pode ser considerado um destes obstáculos, tendo em vista as dificuldades de interpretação que o mesmo apresenta.

Uma vez que estamos diante de um texto considerado difícil, a melhor forma de ir superando as dificuldades de compreensão é olhando para o seu contexto. Ora, o capítulo dezessete de Lucas apresenta a retomada das exigências de Jesus aos seus discípulos. À medida em que avança no caminho e se aproxima de Jerusalém, Jesus vai deixando cada vez mais claro o que é necessário para os discípulos continuarem com Ele. Muitas exigências já tinham sido apresentadas até então: a renúncia a todos os bens (cf. Lc 14,33), a coragem para enfrentar a cruz como consequência do discipulado (cf. 14,27) e até mesmo a ruptura nas relações familiares (cf. Lc 14,26). Até então, parece que a fé dos discípulos estava sendo suficiente para suportar tantas exigências. Pelo menos, não tinham reclamado ainda, embora nem tudo fosse claro para eles. Porém, surge uma nova fase com obstáculos mais difíceis.

A situação se complica quando Jesus exige dos discípulos a disponibilidade para perdoar constantemente e ilimitadamente ao irmão que tiver ofendido (cf. 17,3-4). Portanto, para compreendermos bem o evangelho de hoje, é necessário partirmos do seu contexto imediato, recordando a mensagem apresentada nos versículos iniciais deste capítulo dezessete (vv. 1-4). A primeira recomendação feita por Jesus foi o cuidado com o “escândalo” (cf. Lc 17,1-2), recomendando que seus discípulos não escandalizassem a nenhum dos pequeninos, os destinatários principais do Reino de Deus (os pobres; as mulheres; as pessoas marginalizadas de modo geral). É importante ressaltar que “escândalo” (em grego: σκάνδαλον = skandalon) na linguagem do Novo Testamento não significa propriamente um comportamento moral inadequado, e sim um obstáculo para o Reino, tudo o que é capaz de atrapalhar uma adesão completa a Jesus, como o apego aos bens materiais, o orgulho, a inveja, a incapacidade de perdoar, e tantos outros.

Dentro da advertência sobre os “escândalos”, Jesus apresentou a maior de todas as exigências até então: a necessidade e a disponibilidade para perdoar de modo ilimitado, até sete vezes num único dia, sinal de totalidade, ao irmão que tiver ofendido (vv. 3-4). Foi essa exigência que deixou os apóstolos em crise, a ponto de perceberem que não tinham, ainda, uma fé suficiente para tal. Deixar a família, abrir mão dos bens, abraçar a cruz e romper com tantos laços tradicionais parecia mais fácil do que perdoar. E, para Jesus, o maior escândalo que pode existir entre os seus seguidores é a falta de perdão. Sem dúvidas, essa foi a maior exigência feita até aqui.

Desconcertados pela exigência de perdoar ilimitadamente, diz o evangelista que “Os apóstolos disseram ao Senhor: ‘Aumenta a nossa fé!’” (v. 5). O emprego do termo “apóstolos” aqui, ao invés de “discípulos” reflete a necessidade do evangelista mostrar às suas comunidades que até mesmo o grupo dos primeiros seguidores de Jesus tiveram a sinceridade de se reconhecerem necessitados da ajuda de Jesus, ou seja, não foram autossuficientes. trata-se de uma reação ao que lhes fora anteriormente exigido. Ora, na época da redação do evangelho já não havia mais nenhum dos apóstolos vivos e, por terem convivido pessoalmente com Jesus, o que o evangelista transmitisse como palavras deles tinha muito peso para as comunidades. Ao pedido dos apóstolos, Jesus responde até de modo irônico, dizendo, antes de tudo, que a fé não se mede quantitativamente. Os apóstolos consideravam que já tinham fé, mas não em quantidade suficiente para abraçarem a exigência do perdão. Porém, essa exigência não era tão nova, pois já estava contida no Pai-nosso: “Perdoa os nossos pecados como também nós perdoamos aos nossos devedores” (cf. Lc 11,4); assim, a oração ensinada por Jesus, também em resposta a um pedido deles, “Senhor, ensina-nos a orar” (cf. Lc 11,1-4), não estava sendo levada a sério. Por isso, a resposta de Jesus soa irônica.

Se os apóstolos concebiam a fé como algo mensurável quantitativamente, imaginavam que já possuíam em pequena quantidade e, portanto, necessitavam de algumas “porções” a mais. Daí a ironia de Jesus com o exemplo parabólico do grão de mostarda: “O Senhor respondeu: ‘Se vós tivésseis fé, mesmo pequena como um grão de mostarda, poderíeis dizer a esta amoreira: ‘Arranca-te daqui e planta-te no mar’, e ela vos obedeceria” (v. 6). Em outras palavras Jesus disse que ou se tem fé ou simplesmente não se tem, ou seja, basta que seja autêntica, qualitativa e não quantitativa. O grão de mostarda era considerado o menor dos grãos conhecidos na época, inclusive já utilizado pela tradição sinótica em uma parábola sobre o Reino de Deus (cf. Mt 13,31-32; Mc 4,30-32; Lc 13,18-19). Para deixar os apóstolos ainda mais desconcertados, Jesus usa o exemplo oposto da amoreira, a árvore conhecida na sua época como a possuidora das raízes mais profundas e de maior tempo de sobrevivência e, portanto, a mais difícil de ser arrancada; e se o simples fato de uma amoreira ser arrancada já parecia impossível para a mentalidade da época, menos possível ainda seria a sua sobrevivência no mar.

É importante também recordar aqui a criatividade de Lucas, o qual modifica e enriquece a tradição recebida: em Mateus e Marcos essa demonstração da força da fé é feita com a imagem do mover-se de uma montanha (cf. Mt 17,20; Mc 11,23), enquanto Lucas a substitui por uma árvore. A resposta é simbólica e irônica. Jesus não promete dar algumas porções a mais de fé aos apóstolos, porque isso não é possível. A fé não pode ser medida e muito menos ofertada por Ele. A fé é a resposta incondicional ao seu amor, é a adesão plena ao Reino, e isso é pessoal. O exemplo da fé com poder de fazer uma árvore arrancar-se sozinha e plantar-se no mar é apenas um modo de dizer que a fé transforma realidades, quando autêntica. No caso dos apóstolos, era a mentalidade deles que necessitava de uma transformação. Portanto, Ele não promete o poder de fazer e ver milagres extraordinários a quem tem fé; pede uma transformação interior e radical, a começar pela vivência do perdão sem medidas. O grande milagre da fé é arrancar pela raiz tudo o que obstaculiza o advento pleno do Reino de Deus: o egoísmo, a injustiça, a falta de amor e de solidariedade, o apego aos bens materiais, a dureza de coração; é tudo isso que, movidos pela fé, os cristãos devem “jogar no mar”, recordando que na mentalidade bíblica o ‘mar’ tem um sentido muito negativo, pois era considerado também o lugar onde habitavam as forças do mal. Inclusive, no início do capítulo em questão, como destino de quem escandalizar um pequenino, Jesus sugere “ser jogado no mar” (cf. Lc 17,1-2).

Na continuação, Jesus conta-lhes uma pequena parábola (vv. 7-10), aparentemente sem nexo com a discussão sobre a fé, porém intrinsecamente relacionada: “Se algum de vós tem um empregado que trabalha a terra ou cuida dos animais, por acaso vai dizer-lhe, quando ele volta do campo: ‘Vem depressa para a mesa?’ Pelo contrário, não vai dizer ao empregado: ‘Prepara-me o jantar, cinge-te e serve-me, enquanto eu como e bebo; depois disso tu poderás comer e bebe?’. Será que vai agradecer ao empregado, porque fez o que lhe havia mandado?” (vv. 7-9). Trata-se de mais uma parábola exclusiva de Lucas. Com ela, Jesus quer mostrar aos discípulos a melhor maneira de cultivar e viver uma fé autêntica e verdadeira: colocando-se como servos, completamente disponíveis e despretensiosos. Ora, vigorava na época, sobretudo em ambientes farisaicos, uma mentalidade meritocrática.

Os fariseus observavam fielmente a Torá pensando na retribuição, vivendo uma relação contratual com Deus: observavam a Lei porque eram justos e, portanto, seriam mais merecedores dos dons de Deus. Infelizmente, essa mentalidade contaminava também os discípulos de Jesus. O evangelista Lucas observou isso em suas comunidades. Havia uma reivindicação de privilégios entre as lideranças das comunidades; por isso, ele quis mostrar que o verdadeiro discípulo é aquele que, movido por uma fé autêntica, não reivindica direitos nem privilégios para si. Tudo o que faz é para a edificação do Reino, até porque, desde o início Jesus deixou muito claro o seu projeto, exigindo dos discípulos que fossem capazes de “renunciar a si mesmo” (cf. Lc 9,23). Logo, era completamente descabida a tendência à exigência de reconhecimento da parte deles. Portanto, ou serve ou não é servo.

No último versículo, há um exagero na tradução. A expressão mais adequada, ao invés de “servos inúteis” seria “simples servos” ou “apenas servos”, pois o servo não é inútil, pelo contrário, é necessário para a edificação do Reino. De fato, se não fossem úteis, Jesus não teria chamado discípulos para o seu seguimento. Porém, é necessário que o servo não esqueça a sua condição e, portanto, tudo o que venha fazer pelo Reino não pode ser motivo de mérito nem de reconhecimento, pois é essa a sua missão: servir de modo incondicional e movido pela fé. Podemos dizer, então, que o Evangelho de hoje nos convida a viver e cultivar uma fé autêntica, que nos leve a cortar pela raiz tudo o que se opõe ao Reino, dentro de nós, de modo incondicional e livre, e a assumirmos a nossa condição de simples servos, porque nossa missão é servir sempre!
Pe. Francisco Cornelio Freire Rodrigues – Diocese de Mossoró-RN
E-mail: francornelio@gmail.com

Fundação do Câncer promove campanha Outubro + Que Rosa

Outubro + que Rosa. Essa é a campanha da Fundação do Câncer, para alertar que a prevenção ao tipo de câncer mais comum entre as mulheres brasileiras deve ser feita durante todo o ano. A campanha, apoia as atividades do Programa Nacional de Controle do Câncer e pretende sensibilizar toda a sociedade no controle do câncer de mama, relembrando que o diagnóstico precoce aumenta as chances de cura da doença.

Para 2019, o Instituto Nacional de Câncer (INCA) estima 59.700 casos novos da doença, o que representa uma taxa de incidência de 56,33 por 100 mil mulheres.

Entre nessa cruzada contra o câncer de mama! Saiba como participar da campanha!

Participe da campanha da Fundação do Câncer

De 1 a 31 de outubro, quem for ao Botafogo Praia Shopping, Nova América e Shopping Tijuca, todos na capital carioca, podem ajudar na campanha. Algumas lojas vão destinar percentuais de alguns produtos para doar à Fundação do Câncer, para manter projetos e programas de pesquisa, prevenção e controle do câncer. As lojas estarão sinalizadas com selo do Outubro + que Rosa em suas vitrines.

No Shopping Nova América, de 14 a 18 de outubro, será montado um lounge, em parceria com a Fundação do Câncer, onde vão ocorrer diversas atividades, sempre às 19h, no 1º piso do shopping. Confira a programação:

14/10 – Juntos, pela vida – roda de conversa com mulheres que passaram ou estão em tratamento contra o câncer e com pessoas que apoiaram familiares na luta contra a doença. Participações confirmadas: Sylvinha Pozzobon (nutricionista, atleta e coaching) e Joana Romoff (advogada e fundadora @corrocomelas).

15/10 – Vida + ativa – informações sobre atividades físicas para quem quer começar a se cuidar e evitar fatores de risco para várias doenças, inclusive o câncer.

16/10 – Doando autoestima – workshop sobre doação de cabelos para fabricação de perucas para pacientes oncológicos. Parceria com a JakBel e a ONG Wizo Rio, que apoia a Pediatria do INCA.

17/10 – Conversa com especialistas – um papo cheio de informação com os médicos da Fundação do Câncer, Carlos Frederico Lima (mastologista) e Pedro Henrique Araújo de Souza (oncologista clínico), além de convidados especiais para esclarecer dúvidas e saber mais sobre os cuidados com a saúde em todas as épocas do ano.

18/10 – A beleza da superação – workshop sobre os cuidados especiais com a pele e, principalmente, com a autoestima da mulher em tratamento do câncer. Ação de valorização feminina em parceria com a Dermage dermocosméticos.

Outras ações
Durante todo o mês de outubro, os alunos das academias GO30, presentes em diversos estados do país, farão diversas ações de prevenção com as alunas das unidades da academia e informações sobre o tema em suas redes sociais, com dicas de prevenção e detecção precoce da Fundação do Câncer.

Boletins informativos também estão sendo veiculados nas rádios SulAmérica Paradiso e Mix Rio. Ao longo desse mês de conscientização sobre prevenção do câncer de mama, as emissoras irão divulgar uma série de dicas da Fundação do Câncer. Os sites das duas rádios também terão uma página dedicada a prevenção do câncer de mama, com conteúdo disponibilizado pela Fundação. O objetivo é de conscientizar a população sobre a adoção de hábitos saudáveis, como fator de prevenção e a importância da visita regular ao médico, para realização de exames preventivos conforme indicação profissional.

sábado, 5 de outubro de 2019

IMPORTANTE: Saber realizar o autoexame da mama pode salvar uma vida. 7 passos a seguir

Noticias ao Minuto - O mês de Outubro é definido como o Mês Rosa e pretende alertar e promover a conscientização do câncer de mama. Um dos aspectos mais importantes para prevenir esta doença é alertar a pessoa para a capacidade de reconhecimento dos sintomas de forma precoce. Segundo o cirurgião plástico David Rasteiro “hoje em dia felizmente já existe uma maior conscientização das mulheres para os perigos do câncer de mama. No entanto o mais importante é seguir alguns passos, como falar com o seu médico e realizar exames regulares que permitam detectar o problema em fase inicial”.
De acordo com Rasteiro, “existem alguns exames que ajudam a detectar a doença. Desde o autoexame da mama por parte da mulher até a uma mamografia de diagnóstico, é possível estar atento aos sinais de alerta”.
Outro ponto destacado pelo médico é com relação à frequência dos exames regulares. "Érecomendado entre os 50-69 anos com exames de 2 em 2 anos.”.

5º BAILE BENEFICENTE 'AMIGOS DO GASPEC'!!!


quinta-feira, 3 de outubro de 2019

JOSÉ NILSON AGRADECE A DEUS!

Bom dia a todos e a todas, 🙌🏻🙏🏻
Quero de agora agradecer a todos vocês, por essa vitória em nome do senhor Jesus Cristo e o espírito santo, na vida de todos! 
Não há mais como se desesperar com problema de saúde, poque Deus não abandona o ser humano já mais, que existe e crê, abraço a todos❤🙌🏻🙏🏻😍😍!
JOSÉ NILSON. 

O MELHOR CAMINHO É SE PREVENIR


quarta-feira, 2 de outubro de 2019

Outubro Rosa: Grupo Reviver promove mutirão de mamografias em 4 municípios do RN

Grupo Reviver faz mutirão de mamografias no RN — Foto: Prefeitura de Santa Bárbara d'Oeste/Divulgação
O Grupo Reviver dá início nesta quarta-feira (2) a um mutirão de mamografias que vai passar por quatro cidades do Rio Grande do Norte. O mutirão faz parte das ações prevista no Outubro Rosa. O primeiro lugar de atendimento é na Policlínica da Zona Norte, de 2 a 5 de outubro, das 7h às 17h. Confira abaixo o calendário completo do mutirão.

“Levar os serviços até a população é uma forma de facilitar o acesso aos exames considerando que muitas vezes as pessoas não têm recursos se quer para pagar o transporte. Nossa demanda tem sido crescente tanto por causas epidemiológicas, como pelo empobrecimento da população que perdeu os planos de saúde e busca o SUS. Ter nossa unidade móvel própria é um momento ímpar”, afirmou a presidente do Grupo Reviver, Ana Tereza Fiúza Mota.

Atualmente a capacidade de atendimento do Grupo Reviver é de até 1300 mamografias por mês, em razão de credenciamento junto ao Ministério da Saúde e contrato de prestação de serviço firmado com a Prefeitura Municipal de Natal. As mamografias são destinadas às mulheres a partir dos 40 anos, que devem levar originais e cópias de documento oficial de identificação com foto, cartão do SUS, comprovante de residência e requisição médica. As mulheres a partir dos 50 anos não precisam da solicitação do médico. Diariamente são distribuídas 70 fichas e o atendimento é realizado das 7h às 17h.

No período de janeiro a julho de 2019, foram realizados 7.634 exames de mamografia.

Sobre o Grupo Reviver

Fundado em 2012, o Grupo Reviver – entidade privada sem fins lucrativos - tem o objetivo de auxiliar na prevenção e no diagnóstico precoce do câncer em mulheres com dificuldades de acesso à saúde pública e à informação sobre a doença. Suas atividades são financiadas por meio de doações de pessoas físicas e jurídicas, bem como através de parcerias com o poder público, incluindo o Sistema Único de Saúde (SUS). Aqueles que desejem contribuir podem fazer doações mensais a partir de R$ 30, bastando para isso se cadastrar no site.

Calendário de Mamografias do Outubro Rosa
  • 2/10 a 5/10 - Policlínica da Zona Norte Av. João Medeiros Filho, s/n
  • 7/10 e 8/10 - Conselho da Mulher Av. Antônio Basílio nº 2280
  • 9/10 e 10/10 – Candelária Rua Barão de Assu, s/n
  • 10/10 a 12/10 – Leningrado Rua São Bráulio s/n, Guarapes.
  • 14/10 a 18/10 - Assembleia Legislativa do RN Praça 7 de Setembro.
  • 19/10 - Fórum Jalles Costa Rua da Fosforita, 2327 Lagoa Nova, Natal
  • 21/10 a 23/10 - Câmara Municipal de Natal Rua Jundiaí, s/n, Petrópolis.
  • 24/10 a 27/10 - Secretaria Municipal de Saúde de Assu
  • 28/10 a 30/10 - Câmara Municipal de Mossoró
  • 31/10 a 1/11 - Secretaria Municipal de Saúde de Lajes
 *G1 RN

Qual a importância da Semana Nacional da Vida?

Qual a importância da Semana Nacional da Vida?

A Semana Nacional da Vida é um momento oportuno de sensibilizar a sociedade civil como um todo e a própria Igreja para a promoção e defesa da vida, desde a concepção até o fim natural. É um momento e mobilização que nós podemos mostrar ao mundo que a vida é um dom de Deus, que a vida vale a pena, que a vida tem sentido e que a vida deve ser celebrada, sentida com alegria. É tanto que estamos colocando como tema “Em família, defendemos a vida com alegria e esperança.

Quais as propostas que a Comissão Episcopal para a Vida e a Família tem incentivado neste ano?

E no dia 8 de outubro, nós queremos fazer uma vigília pela vida. Acender o maior número de velas, simbolizando a luz de Cristo, que dá sentido à nossa vida. Então nós estamos convidando as comunidades para que se mobilizem, numa praça pública, em frente a uma Igreja e possam também recitar as orações pela vida e se mobilizarem em torno desses dois momentos: dia 1º de outubro o badalar dos sinos e no dia 8 de outubro a vigília acendendo as velas pela vida.

As comunidades vêm se mobilizando cada vez mais nessa Semana Nacional da Vida e temos o subsídio “Hora da Vida” que ali existem os encontros para as comunidades, os temas que podem ser abordados, é um bom instrumento para o trabalho nessa Semana da vida. Mas neste ano temos algo bem especial. Nós estamos fazendo duas grandes mobilizações. No início da semana, dia 1º de outubro, com o soar dos sinos, estamos pedindo que todas as Igrejas possam soar os sinos às 12h, às 15h e às 18h e, nesses horários, o Brasil inteiro se unir para fazer a oração do nascituro. Então é um momento de sintonia, de alegria pelo dom da vida.

A motivação principal que tem sido levada às comunidades talvez seja a questão do nascituro, por conta do dia 8 de outubro. Mas, atualmente, a Igreja enfrenta vários ataques à vida, como a questão do suicídio que tem relevo no mês de setembro. O subsídio Hora da Vida apresenta reflexões a respeito dessas outras dimensões e apresenta indicações para a ação Pastoral?

Sem dúvida. Nós estamos tentando abranger a defesa da vida, tanto que é a proposta desde a concepção até o fim natural. Então, temos a questão de suicídios, as questões dos idosos, do abandono da vida. A cultura da morte vem se apresentando com força. Nós como Igreja, como homens e mulheres de fé, temos que propor a cultura da vida, em todas as etapas da vida. Não só no início, mas em todas as etapas. E é nisso que nós acreditamos e é para isso a Semana da Vida, que a gente possa se mobilizar mostrando que o ser humano precisa ser respeitado na sua dignidade física, corporal e espiritual. Acima de tudo, promoção da vida é dizer ‘a vida vale a pena porque é dom de Deus’”.

Neste ano, a mobilização em torno dos gestos para a Semana Nacional da Vida ganhou apoio das emissoras de televisão e rádio de inspiração católica, que estão divulgando a iniciativa dos sinos e das velas desde a última semana. A Comissão Nacional da Pastoral Familiar (CNPF) oferece o subsídio Hora da Vida para auxiliar grupos e comunidades nas reflexões e celebrações da Semana Nacional da Vida.


Reze a oração pela vida:

 
Nós vos louvamos, Senhor Deus da Vida.

Bendito sejais, porque nos criaste por amor.
Vossas mãos nos moldaram desde o ventre materno.
Nós vos agradecemos pelos nossos pais,
e todas as pessoas que cuidam da vida desde o seu início, até o fim.
Em Vós somos, vivemos e existimos.
Abençoai todos que zelam pela vida humana e a promovem.
Abençoai as gestantes e todos os profissionais da saúde.
Dai às pessoas e às famílias o pão de cada dia, à luz da fé e do amor fraterno.
Nossa Senhora Aparecida, intercedei por nossos nascituros, nossas crianças,
nossos jovens, nossos adultos e nossos idosos, para que tenham vida plena em Jesus,
que ofereceu sua vida em favor de todos.
Amém!
 

Fonte- CNBB.

terça-feira, 1 de outubro de 2019

OUTUBRO ROSA: ASSEMBLEIA LEGISLATIVA EM SESSÃO SOLENE DESTACA A IMPORTÂNCIA DA PREVENÇÃO AO CÂNCER DE MAMA

Por intermédio da Frente Parlamentar da Mulher, a Assembleia Legislativa realizou sessão solene em homenagem ao Outubro Rosa, mês de prevenção ao câncer de mama. O evento foi realizado na tarde desta terça feira (01) e além de homenagear instituições e pessoas dedicadas a causa chamou a atenção para a importância do diagnóstico precoce e tratamento adequado.

Como presidente da Frente Parlamentar da Mulher, a deputada Cristiane Dantas (SDD) presidiu a mesa. Em seu discurso, a parlamentar homenageou voluntários e instituições com serviços prestados as mulheres com câncer de mama e destacou a importância do diagnóstico precoce.

O câncer de mama é um dos desafios da atualidade. É a doença que mais acomete as mulheres no país. A cada 2 minutos uma mulher é diagnosticada com câncer de acordo com o Instituto Nacional do Cancer (INCA). O dado nos impõe a responsabilidade de sermos multiplicadores da prevenção. É necessário contribuir para o reconhecimento das necessidades que existem para o controle da doença. A mobilização alerta para a necessidade da detecção precoce, tendo em vista que, quando o câncer é diagnosticado de forma precoce as chances de cura são de 95% de acordo com estudos, “ explicou Cristiane.

Representando os homenageados, a advogada Idaísa Mota Cavalcante, falou sobre a experiência de ter enfrentado o câncer de mama e agradeceu a participação da assembleia legislativa no trabalho de prevenção e divulgação da importância do diagnóstico precoce.

“Cada um de nós tem histórias e obstáculos a enfrentar. Agradeço e reconheço as ações da casa seja por meio da presidência ou por meio dos setores no incentivo a prevenção e tratamento. A descoberta do câncer de mama é um divisor de águas na nossa vida. Decidi fazer esse trabalho quando descobri o tumor. Vivi todas as dificuldades do tratamento. Quanto ao diagnóstico precoce, ele é de suma importância pois nos dá a chance de cura de 95%. Graças a doações, conseguimos comprar um equipamento importante para a nossa unidade de prevenção e tratamento. Em nome do grupo Reviver, agradeço a todos, “ explicou Idaísa Mota.

Como apoio e engajamento na Campanha Outubro Rosa, a Assembleia legislativa renovou o convênio firmado com o Grupo Reviver para a realização de mutirão de mamografias que vai acontecer, na frente da assembleia, entre os dias 14 e 18 deste mês.

Homenageados: 

  • Ana Clebea Nogueira Pinto de Medeiros
  • Fábio Alexandre da Costa
  • Idaísa Mota Cavalcante
  • Lea Ivone da Cunha Moreira
  • Maria Fabiana Moura
  • Maria Shirley de Souza Torres
  • João Batista Dantas Gonçalves
  • Maria Terezinha Assunção dos Santos
  • Michely Nascimento Costa
  • Terezinha Maria de Araújo
  • Vital Garcia Dantas.

segunda-feira, 30 de setembro de 2019

VOLUNTÁRIOS DO GASPEC PARTICIPAM DE SEMINÁRIO DA INCLUSÃO

Manhã muito proveitosa, participando de uma maravilhosa palestra proferida pelo querido Padre Maciel.
Parabenizamos a todos os organizadores do evento, inclusive o Secretário de Educação, Elmo Torres e a toda a Equipe da Educação pelo belíssimo evento que nos trouxe muitas aprendizagens.
Agradecemos a presença dos voluntários e dos pacientes oncologicos!

domingo, 29 de setembro de 2019

APODI SEDIARÁ II SEMINÁRIO DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA

Convidamos a todos, para participarem do II Seminário da Inclusão, amanhã, às 8 horas. 
Vai ser um momento de reflexão sobre a inclusão, com o Padre Marciel na AABB.
Voluntários do GASPEC, por favor, todos com a camisa oficial! 

Sínodo para a Amazônia

O Sínodo para Amazônia foi uma resposta do Papa Francisco à realidade da Pan-Amazônia. De acordo com Francisco, “ o objetivo principal desta convocação é identificar novos caminhos para a evangelização daquela porção do Povo de Deus, especialmente dos indígenas, frequentemente esquecidos e sem perspectivas de um futuro sereno, também por causa da crise da Floresta Amazônica, pulmão de capital importância para nosso planeta. Que os novos Santos intercedam por este evento eclesial para que, no respeito da beleza da Criação, todos os povos da terra louvem a Deus, Senhor do universo, e por Ele iluminados, percorram caminhos de justiça e de paz”.
Durante o encontro com povos indígenas de quase todos os países da Pan-Amazônia, em Porto Maldonado, Peru, o Papa Francisco falou sobre a riqueza dos saberes e da diversidade indígena, sobre a necessidade de defender a Amazônia e seus povos e, também, sobre as ameaças que estes povos enfrentam em função dos interesses econômicos em seus territórios. A partir destas perspectivas, o Sínodo Especial para Amazônia tem como tema “Amazônia: novos caminhos para a Igreja e por uma ecologia integral”.
Um Sínodo para CONHECER a riqueza do bioma, os saberes e a diversidade dos Povos da Amazônia, especialmente dos povos Indígenas, suas lutas por uma ecologia integral, seus sonhos e esperanças.
O Sínodo para Amazônia foi uma resposta do Papa Francisco à realidade da Pan-Amazônia. De acordo com Francisco, “ o objetivo principal desta convocação é identificar novos caminhos para a evangelização daquela porção do Povo de Deus, especialmente dos indígenas, frequentemente esquecidos e sem perspectivas de um futuro sereno, também por causa da crise da Floresta Amazônica, pulmão de capital importância para nosso planeta. Que os novos Santos intercedam por este evento eclesial para que, no respeito da beleza da Criação, todos os povos da terra louvem a Deus, Senhor do universo, e por Ele iluminados, percorram caminhos de justiça e de paz”.
Durante o encontro com povos indígenas de quase todos os países da Pan-Amazônia, em Porto Maldonado, Peru, o Papa Francisco falou sobre a riqueza dos saberes e da diversidade indígena, sobre a necessidade de defender a Amazônia e seus povos e, também, sobre as ameaças que estes povos enfrentam em função dos interesses econômicos em seus territórios. A partir destas perspectivas, o Sínodo Especial para Amazônia tem como tema “Amazônia: novos caminhos para a Igreja e por uma ecologia integral”.
Um Sínodo para CONHECER a riqueza do bioma, os saberes e a diversidade dos Povos da Amazônia, especialmente dos povos Indígenas, suas lutas por uma ecologia integral, seus sonhos e esperanças.
Dentre as várias temáticas que serão estudadas e aprofundadas no processo sinodal, está em pauta o “rosto dos povos da Amazônia” que representam uma rica diversidade sociocultural nesta realidade em que, dadas as proporções geográficas, é uma região gigantesca onde vivem povos e culturas diferentes que ocupam a região com modos de vida distintos. Todos os dias, retiram das águas o peixe nosso de cada dia sem excessos ou desperdícios, somente o necessário para alimentar suas famílias com o pescado oferecido generosamente pela natureza das águas que ainda o produz em abundância. Mas, toda essa riqueza natural está em risco mediante a exploração desmedida das grandes corporações econômicas.
Também terá lugar no debate do sínodo o camponês e sua família que se apropria e utiliza os recursos naturais da várzea, tendo como pano de fundo o contínuo e cíclico movimento de seus rios. Entretanto, os ribeirinhos, pescadores da Amazônia, também conhecidos como camponeses das várzeas, sofrem com a presença dos pescadores comerciais, predadores dos recursos que já se tornaram escassos em determinadas regiões. Os povos da floresta, camponeses da terra firme, nas suas mais diversificadas categorias (seringueiros, indígenas e quilombolas), extrativistas e coletores por excelência, sobrevivem do que a terra e a floresta lhes dá generosamente. São os agricultores familiares que cultivam pequenas porções de terras com técnicas tradicionais ancestrais classificadas como agroecologia familiar por corresponder a um modo de vida de inter-relação e interdependência com a terra e a natureza. Esses povos cuidam da terra e a terra cuida deles na mesma proporção. O modo de vida desses povos baseado no “bem-viver”, entretanto encontra-se ameaçado pelos grandes projetos econômicos, pelo avanço do latifúndio e pelo permanente processo de desmatamento da floresta.
A realidade das cidades dos nove países que compõem a Pan-Amazônia, Colômbia, Peru, Venezuela, Equador, Bolívia, as Guiana Inglesa, Guiana Francesa, Suriname, além do Brasil, com seus desafios e perspectivas também serão abordadas no sínodo. As cidades da Amazônia têm crescido muito rapidamente e recolhido muitos migrantes deslocados de forma compulsória, empurrados para as periferias de grandes centros urbanos que avançam floresta adentro. Na sua maioria são povos indígenas, ribeirinhos, quilombolas expulsos pelos garimpos e mineradoras, encurralados pelas madeireiras, e machucados nos conflitos agrários e socioambientais resultantes da omissão falaciosa do Estado que tem adotado um processo acelerado de limpeza e esvaziamento de áreas estratégicas de grande interesse econômico cobiçadas por empresas nacionais e internacionais.
As grandes riquezas produzidas na Amazônia e a vastidão de seus bens econômicos são negados à maioria de seus habitantes, o que favorece a predominância das desigualdades sociais, econômicas, culturais e políticas. Nessa perspectiva as cidades representam uma realidade marcada por grandes contradições: de um lado, uma vastidão enorme de terras e florestas. De outro lado, muita gente, multidões inteiras, de empobrecidos no campo e nas cidades, sem terra, sem moradia, sem acesso aos direitos básicos.
Estes e muitos outros temas serão abordados pelo Sínodo especial para a Amazônia que já está em curso e terá seu ponto mais alto em outubro de 2019.


*Fonte: REPAM/Diocese de Mossoró. 

5º BAILE BENEFICENTE 'AMIGOS DO GASPEC'!!!


Governo encaminha retomada da obra do Hospital da Mulher em Mossoró

Maior investimento do Governo do Estado no interior, a obra do Hospital Regional da Mulher Parteira Maria Correia recebeu a visita da governadora Fátima Bezerra na manhã deste sábado (28) como parte da agenda de instalação do Executivo em Mossoró. A unidade de saúde representa um investimento superior a R$ 100 milhões, entre infraestrutura e equipamentos, via Governo Cidadão com financiamento do Banco Mundial.

A previsão é de que a obra seja retomada a todo vapor em dezembro, após a readequação em áreas como a drenagem e o sistema de climatização; e que o hospital seja entregue no fim de 2020 para atender as mulheres e crianças de Mossoró e mais 61 municípios do Oeste e do Vale do Açu.

Durante o ano, o Governo encontrou uma série de problemas no projeto e iniciou o trabalho para retirar os entraves daquele que será o maior hospital do Rio Grande do Norte. Diante das dificuldades para tocar a obra, já no início do ano a governadora Fátima Bezerra determinou a criação de uma força-tarefa para retomar um dos principais investimentos em curso no RN. A obra, que hoje está 30% executada, foi recebida pela gestão com 23%, quando deveria estar com 60%, segundo a previsão original.

“O papel do Governo é dar respostas e ser transparente com o povo. Por isso determinei a criação da força-tarefa para resolver os problemas com agilidade. Essa é uma das obras mais importantes para Mossoró e toda essa região. Não são apenas 100 milhões de reais, são as vidas das mulheres e crianças que estão aguardando. Por isso estamos acelerando o trabalho dessa grandiosa obra”, afirmou a governadora.

O planejamento é que a obra, executada pela GC Construções, leve 12 meses para ser concluída. Toda a infraestrutura do hospital, com 118 leitos, centro cirúrgico e atendimento especializado, foi apresentada à governadora pelo engenheiro responsável, Mário Marques, que assegurou o compromisso da empresa em agilizar a execução após fechar os ajustes no projeto.

Hoje, a força-tarefa integrada por Governo Cidadão e as secretarias de Estado da Saúde Pública (Sesap) e de Infraestrutura (SIN) trabalha em três frentes: construção, aquisição de equipamentos e montagem do modelo de gestão.

De acordo com o secretário de Gestão de Projetos e Metas, Fernando Mineiro, parte das adequações necessárias para retomar a obra foram fechadas há duas semanas. “Por determinação da governadora, incluímos a Secretaria de Infraestrutura no processo, agilizando a readequação do projeto. Também montamos uma comissão para encaminhar a licitação dos equipamentos, ao lado da Sesap”, destacou Mineiro, que também é o gestor do Governo Cidadão.

O secretário de Saúde Pública, Cipriano Maia, reafirmou a importância do Hospital da Mulher para a região e também no projeto de reforma da gestão de saúde no RN. “O Hospital da Mulher vai qualificar o cuidado com a mulher e a criança de toda a região, além de ser um ganho importante para o processo de regionalização da saúde que estamos fazendo”, completou ele.

A visita foi acompanhada também pelo reitor da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN), Pedro Fernandes. O terreno do hospital foi doado pela instituição e a unidade servirá também de campo de estudo e de atuação dos estudantes. “A maior obra do Governo no interior do nosso estado será muito importante para a UERN, que terá atuação não só como cursos da saúde, mas na área de administração, direito e várias outras”, pontuou o reitor.

Convidados pela governadora para representar a população, a deputada estadual Isolda Dantas e os vereadores Genilson Alves, Alex do Frango e Raelio Cabeção também acompanharam a visita ao hospital. “A população de Mossoró aguarda essa obra há muito tempo. Com esse trabalho do Governo agora temos a clareza de que o hospital será concluído”, disse Isolda. A visita também foi acompanhada pela ex-prefeita Fafá Rosado e o diretor-presidente da Fundação José Augusto (FJA), Crispiniano Neto.

A missão do Banco Mundial que veio avaliar a gestão do Governo também visitou as obras no dia 25. Os representantes da instituição discutiram as adequações que estão sendo conduzidas pela força-tarefa e deram contribuições para as melhorias.

O Hospital da Mulher será a unidade de referência para os territórios de Assu-Mossoró, Sertão do Apodi e Alto Oeste, com previsão de realizar até 20 mil atendimentos por ano.

Ele contará com ambulatórios, pronto-socorro, leitos de UTI neonatal e adulta, centro cirúrgico com salas de parto humanizado, banco de leite, albergue para as “mães-canguru” e atendimento especializado para mulheres vítimas de violência.

segunda-feira, 23 de setembro de 2019

CONVITE MISSA DE 30° DIA


DEZ MULHERES DA MESMA FAMÍLIA VENCEM JUNTAS O CÂNCER DE MAMA

Uma vitória em família! É esta a história de parentes que vivem em Lincolnshire, na Inglaterra. Dez mulheres da mesma família venceram juntas o câncer de mama.
As pacientes, entre 47 e 81 anos, comemoram o feito com uma sessão de fotos e festa.
Segundo o site Daily Mail, Joyce, de 78 anos, foi a primeira a ser diagnosticada, em 2002. Pouco tempo depois, sua cunhada e sobrinhas também tiveram a doença. Ao longo dos últimos anos, tias, primas, filhas e irmãs também receberam a notícia. Oito delas são parentes sanguíneas.
“Apesar de triste a nossa história, é nos piores dias que você olha ao lado e vê que tem vida, que tem esperança”, disse Vanessa, de 55 anos, e que descobriu ter câncer de mama há 4 anos.


*virgula.com.br

GASPEC DEIXA VOTOS DE PESAR À FAMÍLIA DE NÚBIA

A Família GASPEC apresenta votos de pesar a nossa amiga e parceira Núbia e aos familiares pela perda da sua querida genitora .Que Deus na sua infinita misericórdia fortaleça e conforte a família. Nesse momento as lágrimas são amargas e o mundo parece injusto,mas acredite que Deus estará sempre ao lado de cada um acalentando o coração e deixando a certeza de que a sua Mãe estára junto de vocês celebrando as suas conquistas e protegendo de todo o mal.Mantenha a sua fé em Deus e saiba que esse amor de mãe e filha jamais será esquecido Um forte abraço solidário.

domingo, 22 de setembro de 2019

ALEXANDRIA-RN: HOSPITAL GUIOMAR FERNANDES NO OUTUBRO ROSA

Dia 28 de setembro de 2019, às 10 horas acontecerá o lançamento da Programação do Outubro Rosa no Hospital Maternidade Guiomar Fernandes. Parabéns para todos os organizadores e participantes do evento! 

APDA PARTICIPA DE EVENTO DE INCLUSÃO EM MOSSORÓ

Ontem, 21 de setembro de 2019 o Segundo Diretor Social, Josinaldo Cardoso, participou de um evento organizado pela Associação de Pais e Amigos dos Autistas de Mossoró e Região - AMOR, na cidade de Mossoró. Agradecemos em nome da família da APDA, toda a receptividade que foi dada ao nosso companheiro. Parabenizamos a AMOR pelo belíssimo evento!
E a você Josinaldo, os nossos agradecimentos, por tão bem nos representar os pais nos eventos.