quarta-feira, 25 de março de 2020

Após vencer o câncer, médica quis ser cirurgiã oncológica no Hospital de Amor

Dra. Alessandra Sousa, que enxergou no seu diagnóstico de câncer uma nova missão de vida e escolheu a área de cirurgia oncológica para poder ajudar pacientes a enfrentarem a doença. — Foto: Foto: Arquivo pessoal
Quem já ganhou um prêmio em um título de capitalização, como o Hiper Saúde, sabe muito bem como é boa a sensação ao receber a notícia da conquista, seja ela em dinheiro líquido ou em um bem, como carro ou moto. Até mesmo quando o prêmio traz apenas um respiro financeiro, a alegria toma conta dos ganhadores.

A alegria também é inegável quando um paciente oncológico atendido em uma instituição de saúde, como o Hospital de Amor, de Barretos, e vence uma etapa do tratamento ou alcança a cura.

A cirurgiã oncológica Dra. Alessandra Sousa, de 32 anos, conhece bem de perto esta realidade não apenas por acompanhar seus pacientes. Ela também já enfrentou e venceu um câncer, experiência que ela considera determinante para que encontrasse sua missão de vida.

Depois de cursar Medicina em João Pessoa, na Paraíba, mudou-se para Recife para se especializar em cirurgia geral e, na sequência, em cirurgia pediátrica. Mas, nos primeiros meses do segundo curso, aos 28 anos, descobriu que tinha um linfoma no mediastino, o que a fez parar a residência para se submeter ao tratamento com quimioterapia e radioterapia ao longo de dez meses. “Quando fui paciente, pude entender absolutamente tudo o que acontece com quem recebe um diagnóstico de câncer. Passei por angústias, quadro febril e necessidade de internação. Aprendi a viver um dia de cada vez e tive a certeza de que existia algo a mais naquela experiência”, relata.

Foi então que ela tomou a decisão de fazer sua segunda especialização em cirurgia oncológica. Prestou a prova para a residência no Hospital de Amor, e conquistou a única vaga aberta para aquela área. Sem conhecer ninguém em Barretos, Dra. Alessandra chegou determinada para exercer sua nova e definitiva missão profissional. “Sempre procurei me colocar no lugar do paciente, mas o que passei certamente fez de mim uma profissional mais humana”, diz. Sempre que se depara com uma família trazendo o filho para o tratamento, ela faz questão de conversar, contar que também já venceu um câncer e que sabe exatamente o que eles estão passando, para tranquilizá-los.

“A sensibilidade aumenta quando o médico já foi paciente. Gosto de ressaltar que tudo aquilo vai passar e que logo será possível ver o filho voltar a brincar, a fazer esportes e a curtir momentos de lazer”, diz.

Dra. Alessandra compartilha com pacientes e familiares sua história de vida e vitória pessoal contra o câncer. — Foto: Foto: Arquivo Pessoal

Um amor inesperado

No Hospital de Amor, onde Dra. Alessandra se orgulha todos os dias por atuar em um local que oferece tratamento oncológico de ponta e atendimento humanizado aos pacientes de forma gratuita, a vida também lhe deu outro presente, além da realização profissional. Foi ali que ela conheceu Marcelo Marcon, o palhaço Mingau, que atua na equipe de humanização da instituição. Em comum, eles têm a experiência de lutar e vencer o câncer e a mudança de cidade para trabalhar com algo em que acreditam. Agora noivos, eles já planejam constituir uma família, compartilhando a certeza de que as vivências que tiveram levaram ao crescimento pessoal, profissional e espiritual.

“Sempre comentamos sobre nossa admiração ao Hospital de Amor, pois aqui o amor ao próximo está em todos os setores e não só no nome”, completa.

Espaços lúdicos para as crianças brincarem fazem parte da estrutura do Hospital de Amor e chamam a atenção da Dra. Alessandra, que decidiu trabalhar com crianças e faz questão de acalmar os familiares. — Foto: Divulgação: Hospital de Amor

Hiper Saúde em prol do Hospital de Amor

Quem compra o Hiper Saúde Ribeirão e Região colabora para que mais histórias de cura, superação e transformação de vida possam ser contadas. Desde 2016, o Hiper Saúde mantém uma parceria com a instituição de saúde, que tem sede em Barretos e unidades em outras regiões do país. Como é um título de capitalização de filantropia premiável, todos os compradores cedem o direito de resgate e esse dinheiro é destinado ao hospital para ajudar a cobrir as despesas mensais e também na realização de melhorias e investimento em pesquisas.

Saiba mais: www.hipersauderibeirao.com.br

LAÇO BRANCO DA PAZ

segunda-feira, 23 de março de 2020

NOTA DE FALECIMENTO E CONVITE SEPULTAMENTO

Faleceu na noite de ontem, 22 de março de 2020, JOÃO MARCOLINO FILHO (JOÃOZINHO MARCOLINO).
Seu corpo está sendo velado em sua residência, na rua Asa Branca, Bacurau 1, Apodi-RN.
A família enlutada avisa que o sepultamento está previsto para acontecer às 16 horas no Cemitério Parque da Saudade.
Desde já a família agradece a todos que comparecerem a esse ato de fé e solidariedade humana!

domingo, 22 de março de 2020

MARÇO LILÁS: Câncer de Colo de Útero é a quarta causa de morte de mulheres no Brasil

Exame Papanicolau e vacina são medidas preventivas
Março é o mês da mulher e, não à toa, a campanha Março Lilás é voltada para a saúde feminina, em alusão ao Combate de Câncer de Colo de Útero. Segundo o Instituto Nacional do Câncer – INCA, é considerado o terceiro tipo de câncer mais comum em mulheres e a quarta causa de morte pela doença, no Brasil, com estimativa de 16.590 novos casos em 2020. O principal fator de risco é a infecção persistente pelo Papilomavírus Humano (HPV), transmitido sexualmente.

A infecção genital através desse vírus é frequente e não causa maiores complicações. Contudo, em alguns casos surgem alterações celulares que podem evoluir para o câncer. A dra. Cátia de França, cirurgiã oncológica, da Clínica de Oncologia e Mastologia de Natal, comenta que “O melhor caminho é o da prevenção do HPV e por meio de exames, como o Papanicolau, ao qual rastreia alterações nas células do colo do útero, e quanto mais cedo diagnosticadas, maior a chance de cura”, explica.

A transmissão da infecção advém por via sexual, o que, consequentemente, sua prevenção dar-se também a partir do uso de preservativos (camisinha masculina ou feminina). Durante a relação sexual com penetração, a camisinha protege parcialmente do contagio do HPV, que também é capaz de ocorrer por intermédio do contato com a pele da vulva, região perineal e bolsa escrotal.

A vacina tetravalente contra o HPV, para meninas de 09 a 14 anos e meninos de 11 a 14 anos é outro método preventivo. Essa vacina protege contra os tipos 6, 11, 16 e 18 do HPV. Sendo os dois primeiros causadores de verrugas genitais e os dois últimos responsáveis por cerca de 70% dos casos de câncer do colo de útero.

Tanto a vacina quanto o exame Papanicolau, são complementos de precaução do câncer. Dra. Cátia reforça “lembrando às mulheres que, a partir dos 25 anos, mesmo vacinadas, o ideal é fazer exames preventivos periodicamente, pois a vacina não protege contra todos os tipos oncogênicos do HPV”.

É importante elucidar também “em muitos casos, não há sintomas iniciais e o desenvolvimento é lento, por isso, realizar preventivos é um dos métodos mais indicados para manter a saúde em dia” conclui a oncologista. Nos casos mais avançados pode acontecer sangramento vaginal intermitente ou após a relação sexual, secreção vaginal anormal, dor abdominal associadas a queixas urinárias ou intestinais.

Diagnóstico
Para diagnosticar o câncer de colo de útero é necessário, além do histórico clínico, realizar exames vaginais do colo do útero, útero, ovário e reto através da avaliação com espéculo, Papanicolau, toque vaginal, toque retal e biópsia.

Fatores de risco
Infecção pelo vírus HPV;
Atividade sexual com múltiplos parceiros;
Atividade sexual sem proteção (camisinha);
Início precoce da vida sexual;
Tabagismo;
Uso prolongado de pílulas anticoncepcionais;
Más condições de higiene;
Infecção por clamídia (DST);
Histórico familiar;

Obesidade.

sábado, 21 de março de 2020

PARABÉNS CARLA!!!!

Hoje a Família GASPEC parabeniza a nossa voluntária Carla Leite por está apagando mais uma velinha.
Rogamos ao Senhor que derrame muitas bênçãos divinas sobre você e que suas metas sejam alcançadas.
Feliz Aniversário!

APODI-RN: PALAVRA DE PADRE CHAGAS


domingo, 15 de março de 2020

GASPEC DIZ, GRAÇAS A DEUS! GORETE ESTÁ DE VOLTA!!!

A Família Gaspec, toda diz graças a Deus pela recuperação da saúde da Amiga Gorete Lopes! A mesma passou por um probleminha de saúde, mas Deus está lhe protegendo e ela já está em casa se recuperando. Alegria de toda a Família Gaspec!!

PARÓQUIA DE APODI: PALESTRA COM Pe. CORNÉLIO

Ministros, Diácono e candidatos a Ministros da Palavra de nossa paróquia participaram da 1° formação, que ocorreu neste último sábado (14), na Igreja de N. S. das Graças, no município de Sev. Melo, tendo como Palestrante Pe. Cornélio.

Coletiva de imprensa é realizada para apresentar Campanha da Fraternidade 2020

A Igreja Católica anualmente realiza a Campanha da Fraternidade (CF), uma iniciativa que coloca em pauta uma temática, voltando os olhares das comunidades e toda a sociedade civil, a fim de ampliar sua reflexão sobre o tema em questão. Neste ano a CF traz o tema “Fraternidade e vida: dom e compromisso” e o lema “Viu, sentiu compaixão e cuidou dele” (Lc 10, 33-34), além de Santa Dulce dos Pobres no Cartaz Oficial.
Em nossa Diocese de Mossoró, a Campanha da Fraternidade deste ano foi apresentada a imprensa na manhã desta terça-feira (10), no Instituto Amântino Câmara. Na ocasião, o Bispo Diocesano, Dom Mariano Manzana, casal diocesano de Campanhas, Alex e Aline Guimarães, Padre Ricardo Rubens abordaram o assunto.

Dom Mariano iniciou recordando os jornalistas e presentes sobre o significado Quaresma, marcado justamente pela CF, e a amplitude do convite feito para campanha. Explicou ainda o propósito da Campanha da Fraternidade 2020. “Baseado na parábola do Bom Samaritano, que Jesus nos contou, agora queremos sensibilizar a todos que olhem ao seu redor, onde há pessoas sofrendo e façam como o bom samaritano. A Campanha quer despertar a atenção para os pobres e sofredores, para essa sensibilidade de ter compaixão de cuidar daqueles que necessitam de nós". O gesto concreto deste ano, que acontecerá no dia 05 de abril, com a Coleta Nacional da Solidariedade, será destinado para Cáritas Diocesana.

A coletiva de imprensa contou com a presença do Bispo Diocesano Dom Mariano Manzana; Vigário Geral Padre Flávio Augusto Forte Melo; Vigário da Paróquia São José, Padre Robério Holanda; diretor da Rádio Rural de Mossoró, Padre Ricardo Rubens; casal diocesano de campanhas, Aline e Alex Guimarães, Diretora do Instituto Amantino Câmara, Enia Morais; Coordenadora do Projeto Esperança Pe Guido, Ana Maria Cardoso; vice-reitora da UERN, Jaqueline de Fátima, sacerdotes, representantes de pastorais, novas comunidades e da imprensa mossoroense.

Gesto Concreto- Domingo de Ramos- 05 de abril

No dia 05 de abril, dioceses, paróquias e comunidades de todo país dão início à Semana Santa com a celebração do Domingo de Ramos, dia em que cristãos e cristãs fazem memória a entrada de Jesus em Jerusalém. É nessa data que a Igreja também realiza a Coleta Nacional da Solidariedade, gesto concreto da Campanha da Fraternidade, promovida pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB).

Portanto, é importante sermos solidários com aqueles que sofrem e transformarmos o nosso jejum ou abstinência em um gesto de amor ao próximo, em uma doação generosa para a Campanha Nacional da Solidariedade. Todo o recurso arrecadado com a Campanha é destinado aos Projetos Sociais que atendem as pessoas mais necessitadas das nossas comunidades. 


*Diocese.

terça-feira, 10 de março de 2020

Paciente com coronavírus no DF tem piora no quadro respiratório e estado instável, diz Secretaria de Saúde

Mulher que testou positivo para coronavírus no DF chega ao Hospital da Asa Norte (HRAN), no DF — Foto: TV Globo/Reprodução
A paciente de 52 anos que foi diagnosticada com o novo coronavírus no Distrito Federal teve uma piora no quadro respiratório e está em estado grave e instável. As informações foram divulgadas pela Secretaria de Saúde do DF em boletim nesta terça-feira (10).
A mulher segue internada em isolamento na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Regional da Asa Norte (Hran). Ela respira com ajuda de aparelhos, apresenta febre alta e também tem suporte hemodinâmico para ajudar na circulação sanguínea.
Coronavírus: GDF pede e juíza obriga marido de paciente infectada a passar por exames no DF
Coronavírus: sobe para 41 número de casos suspeitos no DF, diz Ministério da Saúde
Segundo a Secretaria de Saúde, o quadro da paciente foi agravado por outras doenças relacionadas que ela já possuía. A pasta afirma que ela recebe "cuidados intensivos da equipe multidisciplinar e de todo suporte técnico-científico".
A mulher é o primeiro caso confirmado da doença na capital e a primeira ocorrência grave de infecção pelo vírus no país. Nesta terça, o Ministério da Saúde informou que há 59 casos suspeitos de Covid-19 no DF (veja mais abaixo).
Secretário de Ministério critica hospital privado por ter transferido para o SUS paciente com coronavírus: 'Inadmissível'.
Coronavírus: pacientes em ala isolada no HRAN reclamam da falta de macas e demora no atendimento.

Caso importado 

Mulher que testou positivo para coronavírus no DF chega ao Hospital da Asa Norte (HRAN), no DF — Foto: TV Globo/Reprodução
A mulher passou a exibir sintomas após uma viagem ao Reino Unido e à Suíça. Ela retornou à capital em 26 de fevereiro e procurou um hospital particular em 4 de março, apresentando febre, tosse e secreções.
Na madrugada de sexta-feira (6), ela foi transferida para o Hran, unidade de referência para o tratamento do vírus.
Todos pela Educação cancela evento em Brasília e diz que participante tem sintomas de coronavírus
Antes de desembarcar no DF, a mulher fez uma parada em São Paulo. Segundo a Secretaria de Saúde, ela não usou máscaras durante os voos. Os passageiros que sentaram nas fileiras próximas à paciente serão monitorados. 


*Do G1 DF

NOTA DE FALECIMENTO

É com tristeza, que anunciamos aqui o falecimento do amigo "Dudu da Oficina". 
Pai da amiga, voluntária "Humberlândia Cabral", a quem aqui deixamos os nossos votos de profundos sentimentos. E aos demais familiares.
O velório de Dudu acontece no centro de velório e o sepultamento será às 16 horas.
Amigo Dudu, descanse em paz!

GASPEC EM ORAÇÃO POR NOSSA IRMÃ GORETE LOPES

Família GASPEC, pedimos aos voluntários para colocarem a nossa amiga Voluntária Gorete Lopes nas suas orações. A mesma está enferma e precisa das nossas orações. 

CAMPANHA DA FRATERNIDADE 2020!!!


sexta-feira, 6 de março de 2020

PARABÉNS NETINHO!!!

Hoje quem está de idade nova e o nosso voluntário e amigo NETINHO, o famoso AMADO. Amigo não temos palavras para expressar o carinho que todos nós temos por você, você e uma pessoa iluminada por Deus com um enorme coração  e que não mede esforços para fazer com que as atividades do grupo aconteçam com sucesso. Você é o grande amor da Família GASPEC.
Feliz Aniversário!

domingo, 1 de março de 2020

Informações Sobre o Câncer

Boca
Câncer: o que é?
É a denominação genérica de um conjunto de mais de cem doenças que têm em comum duas características básicas: a capacidade das células doentes (neoplásicas) se reproduzirem sem controle, formando tumores e podendo invadir órgãos e tecidos adjacentes, e de se reproduzirem em órgãos e tecidos distantes do tumor original, processo este conhecido como metástase.

Mama
O que causa?
As causas podem ser externas ou internas ao organismo e ambas estão inter-relacionadas. As externas têm a ver com o meio ambiente e os hábitos ou costumes próprios de um ambiente social e cultural. Um exemplo é o hábito de fumar que pode causar câncer. As causas internas são, na maioria das vezes, geneticamente pré-determinadas e ligadas à capacidade do organismo de se defender das agressões. As causas podem interagir, aumentando a probabilidade de transformações malignas nas células.


Colo do útero
O câncer é hereditário?
De 5% a 10% de todos os tumores malignos têm relação com as características genéticas dos pacientes. Apenas alguns tipos de tumor são herdados, como o retinoblastoma, câncer de olho que se manifesta em crianças. No entanto, existem alguns fatores genéticos que tornam determinadas pessoas mais sensíveis à ação de agentes cancerígenos ambientais, como a radiação ultravioleta B. Isso explica o motivo pelo qual algumas desenvolvem câncer e outras não, quando expostas a um mesmo fator de risco.

Pele
Como é feito o tratamento?
O câncer pode ser tratado com cirurgia – para fins curativos ou controle de sintomas – radioterapia, quimioterapia, hormonioterapia e terapias alvo. Muitos casos exigem a combinação de mais de uma dessas modalidades.

Colo retal
A radioterapia é o tratamento no qual se utilizam radiações para destruir um tumor ou impedir que suas células aumentem. O paciente não sente nada durante as aplicações e a radiação é invisível.
Próstata
A quimioterapia utiliza medicamentos para combater o câncer. Na maioria das vezes, eles são aplicados na veia, mas também podem ser ministrados por vias oral, intramuscular e subcutânea. A química é levada, através do sangue, a todas as partes do corpo, destruindo as células doentes que formam o tumor e impedindo que elas se multipliquem.
Esôfago
Na hormonioterapia, como o nome indica, são utilizados hormônios, especialmente para tratamentos de cânceres de mama e de próstata.
Pulmão
Já as terapias alvo envolvem a utilização de drogas que atuam sobre alterações moleculares específicas de determinados tipos de câncer e bloqueiam o sistema enzimático das células doentes, alterando os comandos internos que fazem as células se comportar de maneira maligna.
Estômago
Tireoide
Leucemia
*Fundação do Câncer.

domingo, 16 de fevereiro de 2020

Inca alerta para sinais e sintomas persistentes de câncer em crianças

No Dia Internacional do Câncer na Infância, lembrado ontem(15), o alerta do Instituto Nacional de Câncer (Inca) é para os sinais e sintomas persistentes em crianças e adolescentes, mesmo aqueles que indicam para doenças comuns. De acordo com a chefe da Seção de Oncologia Pediátrica do Inca, Sima Ferman, alguns estudos indicam que mais de três idas ao médico com o mesmo sintoma é uma situação que merece atenção especial.

Os sinais do câncer pediátrico, muitas vezes, são parecidos com os de doenças comuns entre crianças e adolescentes, por isso o diagnóstico é um grande desafio, segundo a especialista. “Não significa que qualquer sinal e sintoma é câncer, mas toda criança precisa ser acompanhada pelo pediatra regularmente, toda queixa da criança precisa ser valorizada tanto pelos pais quanto pelos profissionais de saúde”, explicou.

Alguns sintomas são palidez, manchas roxas, dor na perna, caroços e inchaços indolores, perda de peso inexplicável, inchaço da barriga, alterações nos olhos, dor de cabeça, fadiga, tontura e sonolência. A previsão do Inca, é que em 2020 sejam registrados mais de 8,4 mil novos casos de câncer em crianças e adolescentes.

Diagnosticar precocemente é importante pois não é possível prevenir o câncer infantojuvenil. A especialista explicou à Agência Brasil que, na maioria das vezes, a doença em crianças e adolescente tem causa desconhecida. “No adulto, por exemplo, a pessoa que fuma pode desenvolver câncer de pulmão, então são fatores ambientais e de estilo de vida que muitas vezes são associados ao aparecimento do câncer. Na criança, são fatores intrínsecos do seu próprio corpo. O que nós temos, então, que fazer, para conseguir a maior chance de cura, é um diagnóstico precoce”, disse.

Tratamento especializado

O Dia Internacional do Câncer na Infância, criado em 2002 pela Childhood Cancer International, simboliza uma campanha global para conscientizar sobre o câncer infantil e expressar apoio às crianças e adolescentes e suas famílias. O foco, em 2020, é a redução de fronteiras e o aumento do acesso aos cuidados e à cura.

De acordo com Sima, além da identificação precoce da doença, a grande preocupação é para onde encaminhar os pacientes, já que a maior parte dos centros especializados em oncologia pediátrica estão no Sudeste do Brasil. Existem, atualmente, 317 unidades e centros de assistência habilitados no tratamento do câncer pelo Sistema Único de Saúde (SUS), mas nem todos com atendimento especializado para crianças e adolescentes.

Os tipos mais comuns de câncer infantil são leucemias (câncer dos tecidos produtores de sangue) e tumores no sistema nervoso e linfomas (câncer do sistema linfático). E o tratamento da criança é todo diferenciado. Segundo a médica do Inca, há um esforço tanto do governo quanto de organizações não governamentais de ampliar a rede de centros especializados pelo país para que o paciente não precise migrar para fazer o tratamento, que pode levar de seis meses a dois anos. “Mas isso ainda é perspectiva para o futuro”, disse.

Cura

Em todo o mundo, o câncer representa a primeira causa de morte, 8% do total, por doença entre crianças e adolescentes de 1 a 19 anos de idade. Mas com o diagnóstico precoce e o tratamento especializado, o câncer pediátrico é potencialmente curável.

Nos países de alta renda, a cura chega a 80% dos casos. “No Brasil e outros países de baixa e média rendas existe ainda uma lacuna em relação a esse percentual, principalmente porque, ainda, muitas crianças chegam ao centro de tratamento com a doença avançada”, explicou Sima Ferman. No Brasil a taxa de cura é de 65%.

Segundo ela, há muitas questões socioeconômicas que interferem no resultado do tratamento, pois impedem que o paciente cumpra as idas necessárias ao hospital. “Por essa razão, sempre pensamos que, aqui no nosso país, não é só tratar a doença em si, mas temos que dar condições para os pacientes chegarem ao hospital”, disse, citando entidades que oferecem casas de apoio como o Instituto Ronald McDonald. A assistência social também é fundamental para que o paciente consiga as ajudas possíveis por meio do governo.

A médica do Inca destaca ainda que os pais precisam estar conscientes da importância do tratamento ser feito na totalidade e precisam manter a esperança que o seu filho vai ficar bem. “O câncer hoje em dia não é uma doença que a gente deve temer, mas sim é uma doença que é uma sinônimo de luta pela vida”, disse. “As crianças são surpreendentes. Muitas vezes os pais querem proteger seus filhos, quando, na verdade, eles dão muita força para seus pais”.

*Agencia Brasil/Jair Sampaio.

sábado, 15 de fevereiro de 2020

BRASÍLIA: Câmara está iluminada de azul por campanha de combate ao câncer

A Câmara dos Deputados está iluminada de azul até o dia 21 de fevereiro como parte da campanha pelo Dia Mundial do Câncer (4 de fevereiro). A campanha é uma iniciativa global organizada pela União Internacional para o Controle do Câncer (UICC), com o apoio da Organização Mundial da Saúde (OMS).
O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, destacou que a campanha ajuda na prevenção e no estímulo a políticas públicas de controle. Ele citou a aprovação da lei que assegura a pacientes do SUS com suspeita de câncer o direito à realização de exames no prazo máximo de 30 dias.


*O Xerife.

sexta-feira, 14 de fevereiro de 2020

GASPEC SENTE PELA MORTE DE SEU TITICO TARGINO

Hoje a Família GASPEC perde mais um dos seus integrantes. Infelizmente seu Titico Targino nos deixou fisicamente, tendo ido para a morada celestial,  onde ficará junto do Senhor JESUS. Apresentamos as nossas condolências a todos os familiares.

Disse-lhe Jesus: "Eu sou a ressurreição e a vida. Aquele que crê em mim, ainda que morra, viverá;

João 11:25

terça-feira, 11 de fevereiro de 2020

COMUNICADO IMPORTANTE!

Prezados conselheiros bom dia! comunico a vcs o horário de visitas institucionais a serem realizadas pelo CMDCA em preparação a assembléia de escolha das novas instituições que irão compor assento no conselho.
Dia 11.02.2020
08h - CDCRMA
09h - APDA
10h - ADRA
11h - GASPEC
Comunicamos aos voluntários e Conselheiros que estaremos recebendo em nossa sede a visita dos representantes do CMDCA .no. dia 11 as 11 h. Solicitamos a disponibilidade dos integrantes do GASPEC .

domingo, 9 de fevereiro de 2020

RORAIMA: Jovem com câncer realiza sonho ao tomar banho no carro dos bombeiros e morre dois dias depois

Janaína enfrentava um câncer renal desde 2016 — Foto: Divulgação/Corpo de Bombeiros de Roraim
Em luta contra um câncer renal há quatro anos a jovem Janaína da Silva, de 18 anos, fez seu último passeio na quarta-feira (5) para realizar um sonho: tomar banho com a água de um caminhão do corpo de bombeiros. A jovem estava internada no Hospital Geral de Roraima e teve o desejo realizado com o apoio de uma amiga e do Corpo de Bombeiros Militar de Roraima.  
Pela manhã, Janaína foi levada ao quartel, recebeu uma camiseta dos bombeiros feita especialmente para ela, conheceu as instalações da unidade, em seguida deu um passeio dentro do caminhão e quando retornou a corporação realizou o tão sonhado banho.
Um vídeo da ação foi publicado na página oficial dos bombeiros de Roraima. As imagens que mostram a jovem feliz enquanto realiza o sonho causaram comoção e viralizaram entre os moradores de Boa Vista.
"Eu achei tudo maravilhoso. Eu estava desanimada quando acordei, mas pensei: quer saber? Vou levantar dessa cama, vou me animar para poder ser exemplo para outras pessoas", diz Janaína no vídeo.
Neste sábado (8), os bombeiros fizeram mais uma homenagem a Janaína e levaram o corpo dela até o cemitério Municipal de Boa Vista para o enterro.
Há cerca de dois meses a jovem descobriu que estava em fase terminal e ficava alternando entre os cuidados dos familiares em casa e dos médicos no hospital.
O sonho começou a tomar forma quando a amiga Thaís da Silva, de 20 anos, pediu para que Janaína fizesse uma lista de desejos nesta segunda-feira (3). As duas se conheceram no hospital em 2016, quando Thaís estava internada para passar por um procedimento cirúrgico.
"Eu pedi para que a Janaína colocasse uma loucura e ela disse que que queria tomar banho com a água do caminhão de bombeiros. Eu achei incrível demais", contou a amiga que logo tratou de passar a lista de desejos à equipe médica.
No mesmo dia, o sargento Igor Henrique Tavares estava deixando um paciente no Hospital Geral de Roraima, onde Janaína estava internada. A equipe que cuidava da paciente o abordou, contou a história e ele disse que só precisava da autorização médica para programar a ação. "Um dia depois entraram em contato comigo e disseram que podia ser na quarta-feira, falei com o coronel Jean Claudio, imediatamente ele atendeu o pedido e ainda falou que era pra ser uma ação envolvendo o quartel inteiro e não só um banho", contou o sargento.


Janaína realizando o desejo de tomar o banho com água do caminhão de bombeiros — Foto: Divulgação/Corpo de Bombeiros de Roraima

A lista de desejos

A lista que a amiga pediu para ser produzida incluía ainda um piquenique no Bosque dos Papagaios, localizado no bairro Paraviana, zona Leste. O momento foi planejado para quinta-feira (6) pela manhã. Janaína já havia se arrumado para sair do hospital, mas passou mal e precisou receber oxigênio.
"Foi tudo muito rápido. Ela já estava pronta, mas num instante perdeu a voz, não conseguia mais falar, precisou ficar no hospital e no início da tarde de sexta, faleceu", contou Thaís da Silva. 

Jovem conhecendo parte da corporação — Foto: Divulgação/Corpo de Bombeiros de Roraima
Um desejo que não constava na lista, mas que todos a família e amigos sabiam era que Janaína desejava ser famosa para inspirar outras pessoas. A jovem tinha um canal no Youtube onde postava vídeo de covers de músicas gospel.

Do G1 RR Boa Vista.

terça-feira, 4 de fevereiro de 2020

4 DE FEVEREIRO: DIA MUNDIAL DE COMBATE AO CÂNCER

Imagem: Google
O Dia Mundial de Combate ao Câncer é comemorado anualmente em 4 de fevereiro visando aumentar a conscientização sobre o câncer e incentivar sua preservação, na descoberta e possibilitar que as pessoas tenham tratamento. Esse Dia Mundial de Combate ao Câncer foi criado pela União Internacional Contra o Câncer (UICC), para apoiar os objetivos da Declaração Mundial do Câncer, lançada em 2008. O principal objetivo é reduzir significativamente as mortes causadas pelo câncer e é uma oportunidade para mobilizar a comunidade internacional para acabar com as injustiças e o sofrimento evitável pela mesma.
Essa data visa em acabar com a desinformação, aumenta a conscientização e reduz o estigma. Várias iniciativas são realizadas no Dia Mundial de Combate ao Câncer para mostrar apoio às pessoas afetadas pelo câncer. Um desses movimentos é #NoHairSelfie, um movimento mundial para que os participantes raspem suas cabeças fisicamente ou virtualmente para demostrar um símbolo de coragem para aqueles que estão sendo tratados com câncer. Imagens dos participantes são compartilhadas nas mídias sociais. Centenas de eventos ao redor do mundo também acontecem.

*Fonte: Wikipedia.org

A história do primeiro estudante de classe hospitalar do RN aprovado no ENEM

Ezequiel Mateus da Rocha, de 19 anos. Ele dividiu as dores de um tratamento contra um câncer com os estudos e agora mostra que é Ufersa / Foto Assecom Ufersa
Quem já fez ou pretende fazer o Exame Nacional do Ensino Médio, o ENEM, sabe que é necessária toda uma preparação de estudos e exercícios para se sair bem na avaliação. Mas já pensou em fazer essa preparação tendo que dividir a rotina com ciclos de quimioterapia? E mais: já imaginou se concentrar para responder dezenas de questões e produzir uma redação com dores?
Ezequiel ao lado das pedagogas Hemaúse e Juliana / Foto Assecom Ufersa
O jovem Ezequiel Mateus da Rocha, de 19 anos, dividiu as dores de um tratamento contra um câncer com os estudos. Desde que descobriu, em 2019, que estava com um osteossarcoma, um tipo de câncer, que ele vem travando uma luta para obter a cura e, paralelo a isso, se preparar para o ENEM. “Quando as minhas defesas subiam, eu me concentrava nos estudos. Para você ter uma ideia, dentro de um mês, eu só conseguia estudar uns seis dias”, comentou Ezequiel.
Como aluno da classe hospitalar, Ezequiel conseguiu fazer a prova no próprio hospital obedecendo aos horários e todas as demais regras que norteiam a realização do ENEM / Foto Assecom Ufersa
Entre uma dor e outra, Ezequiel conseguiu se preparar para o Exame numa classe hospitalar da Liga Mossoroense de Estudos e Combate ao Câncer com o auxílio da Associação de Apoio aos Portadores de Câncer de Mossoró e Região. Durante todo esse processo, ele foi acompanhado pelas pedagogas Hemaúse Emanuele da Silva e Juliana Torres, ambas cedidas pela Secretaria Estadual de Educação para o Hospital.
Como aluno da classe hospitalar, Ezequiel conseguiu fazer a prova no próprio hospital obedecendo aos horários e todas as demais regras que norteiam a realização do ENEM. “A prova dele veio num malote, acompanhado de policiais. Ele teve horário para começar e terminar a prova, assim como todos os outros candidatos”, comentou a pedagoga Juliana.
Ezequiel fez a prova nos mesmos dias que os demais estudantes. A diferença foi só a acomodação. Como sentia muitas dores, ele revezava as questões com períodos de descanso. Segundo o próprio Ezequiel, no segundo dia de prova do ENEM estava marcada uma cirurgia para amputar a perna esquerda dele. “Não podia fazer a cirurgia no dia marcado porque tinha que fazer o ENEM e assim o médico decidiu adiar a amputação em mais uma semana”, relatou.
Todo esse esforço de Ezequiel deu resultado. Na última semana, o jovem, que é o sexto filho de uma família de sete irmãos e que é natural do Sítio Trapiá, município de Assú, conseguiu um feito inédito. Ele foi o primeiro estudante de uma classe hospitalar do Rio Grande do Norte a fazer o ENEM e também ser aprovado no SISU. Ezequiel vai ser aluno da Ufersa, do curso de Ciência e Tecnologia, em Mossoró. A meta dele é realizar o sonho de criança: se formar em Engenharia Civil. “É muito emocionante! Ezequiel fez história e acreditou. O que fizemos foi só embarcar e garantir o sonho dele. Ele motivou e motiva todos nós”, comemorou a pedagoga Hemaúse.
A história de Ezequiel com a Ufersa não é de agora. Em 2017, ele, junto com outros estudantes da Escola Estadual Juscelino Kubitschek de Assú, participou da Feira de Ciências do Semiárido Potiguar na Universidade em Mossoró. A equipe apresentou um projeto de carregador magnético e foi destaque recebendo Prêmio de Inovação Tecnológica. Em 2018, Ezequiel fez o ENEM e também foi aprovado para o curso de Ciência e Tecnologia do Campus Angicos, mas não deu para cursar. “Não tive como me matricular no curso porque descobri a doença e tive que iniciar o tratamento”, relatou.
Atualmente, Ezequiel, (flamenguista apaixonado – inclusive fez a prova do ENEM com a camisa do clube) encontra-se numa fase de manutenção após um período de aplicações de quimioterapia. Os próximos seis meses serão fundamentais para o jovem. Ele agora segue o tratamento com medicamentos orais em busca da cura definitiva. Quanto ao curso da Ufersa, ele deve fazer a matrícula e deve ser acompanhado pela Coordenação de Ações Afirmativas, Diversidade e Inclusão Social, a Caadis. Como o tratamento ainda não foi concluído, a expectativa é que Ezequiel comece a frequentar as aulas no segundo semestre.


*Assessoria de Comunicação da UFERSA.

Fábio Faria pede apoio para aprovar projeto que estabelece prazo para exames em pacientes com câncer

No Dia Mundial de Combate ao Câncer, neste 04 de fevereiro, o deputado federal Fábio Faria (PSD-RN) aproveitou o retorno aos trabalhos na Câmara dos Deputados para pedir o apoio dos colegas parlamentares ao Projeto de Lei 5601/2019 que dispõe sobre o primeiro tratamento de paciente com neoplasia maligna comprovada e estabelece o prazo para realização de exames laboratoriais e de imagem.
“A nossa ideia ao propor esse PL é garantir ao paciente diagnosticado com neoplasia maligna que seja assegurada a realização de exames laboratoriais e de imagem, em até 30 (trinta) dias, contados da solicitação do médico, para fins de estadiamento, ou seja, o processo para determinar a extensão da neoplasia maligna presente no corpo de uma pessoa e onde está localizado, de forma que o médico possa identificar o avanço da doença, de modo a planejar o tratamento e a determinar o prognóstico”, destacou o deputado.
Ainda em seu discurso, Fábio Faria chamou atenção para os número do câncer, uma das doenças que mais desafia os sistemas de saúde no Brasil e no mundo.
“De acordo com o Instituto Nacional do Câncer (INCA), surgiram no país 1,2 milhão de novos casos da doença em 2018 e 2019. Só este ano, a estimativa é de 582 mil novos casos”, alertou.
O PL pretende reduzir os atrasos nos exames essenciais aos pacientes, que têm como consequência o início tardio do tratamento, o que ocorre em quase 80% dos pacientes no Brasil, o que diminui, consideravelmente, as chances de sucesso.


*O Xerife.

LOCUTOR DE RODEIOS "ASA BRANCA" MORRE AOS 57 ANOS EM SÃO PAULO, VÍTIMA DE CÂNCER

Foto: Divulgação
Morreu nesta terça-feira (4), aos 57 anos, Waldemar Ruy dos Santos, conhecido como Asa Branca. Ele lutava contra um câncer na mandíbula e uma infecção causada pelo rompimento dos tumores.
O anúncio foi feito na página oficial do artista nas redes sociais. Ainda não há mais informações sobre enterro e sepultamento. “É com muito pesar que informo o falecimento do nosso querido Waldemar Ruy Asa Branca dos Santos”, disse o comunicado.

Foto: Reprodução/Instagram
O locutor de rodeios, que também era portador do vírus HIV, estava internado no Instituto do Câncer, em São Paulo, desde o dia 25 de janeiro. Nos últimos dias, o estado de saúde do artista já era bem crítico. No domingo, teve piora no quadro clínico. O locutor já se encontrava totalmente sedado a com saturação baixa. A alta dosagem de morfina que vinha tomando desde a sexta-feira (28) também já não foi suficiente para aliviar as dores. “É muito difícil esses últimos momentos”, disse Sandra dos Santos, mulher do locutor, na ocasião. “Ele já está indo descansar nos braços de Jesus. Lutou muito pela vida, é um herói”, acrescentou em entrevista ao R7.
A família havia criado uma vaquinha virtual para arcar com custos do tratamento. Foram arrecadados mais de R$ 13 mil, de uma meta de R$ 50 mil.
“Asa branca teve um câncer de boca onde fez 33 sessões de radioterapia e teve uma radionecrose onde morreu o osso da face. Está fazendo tratamento nos Estados Unidos. As despesas aqui são altas e o tratamento é longo, pois ele não pode fazer cirurgia por ter baixa imunidade. Ajude ele a terminar o tratamento”, descrevia o pedido de ajuda da família no site de financiamento coletivo.
Asa Branca nasceu em 1962 em Tiriúba, município no interior de São Paulo, e fez fama na década de 90 como a voz de grandes rodeios, que o levou a participar de novelas como Mulheres de Areia (1993) e O Rei do Gado (1996), da TV Globo. À época, ele chegava a faturar até R$ 300 mil por mês e levava uma vida badalada, regada a bebida, drogas, festas e mulheres, conforme o mesmo já revelou. Em 1999, ele recebeu o diagnóstico do HIV.
O locutor era casado com Sandra dos Santos e tinha seis filhos, todos de relacionamentos anteriores.

*R7

sexta-feira, 31 de janeiro de 2020

Pesquisa investiga o padrão alimentar do brasileiro e os impactos na saúde

Não é todo dia, mas quando tem aquele happy hour com os amigos, o cardápio muda.

"Uma fritura que não faz parte do meu cardápio, ou um belisquinhos que não são aconselháveis todos os dias", conta a advogada Ana Paula Bartolomeu.

Ficar olhando para a alimentação, ainda mais nas nossas vidas sempre apressadas, é um desafio. Você lembra do seu café da manhã, almoço, jantar de hoje, ontem, semana passada:

E esses alimentos trazem benefícios ou prejudicam o seu corpo? Afinal, qual é o padrão de alimentação do brasileiro? É o que um estudo inédito no país vai descobrir.


O Núcleo de Pesquisas Epidemiológicas em Nutrição e Saúde da USP vai acompanhar 200 mil brasileiros por dez anos. Pelo celular, os participantes vão responder aos questionários do estudo NutriNet Brasil.

A inscrição para participar da pesquisa deve ser feita no site da Nutrinet Brasil aqui.

"Nós vamos considerar os vários dias em que essas pessoas propiciaram informações para o estudo, vamos definir, vamos estabelecer o padrão alimentar daquela pessoa e vamos relacionar isso com as eventuais doenças que elas vão adquirir ao longo de 10 anos", explica Augusto Monteiro, o coordenador científico do Nupens-USP.

E como em cada lugar se come de um jeito, o estudo mostrará como é a alimentação por região do país. O Caíque Amaral é da Bahia e desde que mudou para São Paulo adotou outros hábitos.

"Eu sei que eu tenho que ser melhor, mas eu não consigo por causa da vida agitada."

"A gente vai ser capaz de dizer quais são os padrões de alimentação no Brasil que protegem as pessoas de doenças como obesidade, hipertensão, diabetes, doenças do coração, câncer e outras doenças crônicas. Então esses 200 mil brasileiros estarão prestando um serviço a todo o país, à saúde pública, à qualidade de vida no Brasil porque políticas públicas a gente só faz com evidências científicas, seguras. E essas evidências vêm de estudos como esse", afirma o pesquisador. 


*Por Jornal da Globo

PARABÉNS AIRTON LUCENA!!!!

Ontem, 30 de janeiro a FAMÍLIA GASPEC registrou com carinho o aniversário do amigo voluntário, Airton Lucena. Amigo você é uma pessoa muito querida pelo grupo, você é um ser que não temos adjetivos que possa definir as suas qualidades, sao tantas, mas de todas as que mais chamam a atenção são: Guerreiro, amigo de todas as horas, humano com um coração imenso cheio de amor, carinho e atenção com o próximo. Que Jesus te abençoe sempre, te protegendo na sua caminhada.
Um abração! Feliz Aniversário !

Potiguar é aprovada em Medicina durante tratamento de câncer e quer ser oncologista: 'quero ajudar'

Liliany Mirelly Bezerra Alves, 21 anos, passou em Medicina durante tratamento de câncer — Foto: Cedida
Uma potiguar de 21 anos conseguiu aprovação para entrar no curso de Medicina da Universidade Estadual do Rio Grande do Norte (UERN) durante um tratamento contra o câncer. Agora, o sonho dela é poder se especializar em oncologia para poder ajudar pacientes que enfrentarem a mesma doença que ela enfrentou nos últimos três anos.
"Eu quero ser oncologista e hematologia, porque foram as áreas que mais pesquisei durante o tratamento. É diferente poder compartilhar. Se alguém é atendido por uma pessoa que já passou por isso, que também precisou de tratamento pelo SUS, vai se sentir mais perto. Quero ajudar", diz Liliany Mirelly Bezerra Alves.
O sonho da jovem, que vive em Mossoró, na região Oeste potiguar, vem de muito tempo, da infância. Em 2014, no último ano do Ensino Médio, Liliany começou a fazer provas para tentar entrar no curso e, continuou estudando mesmo sem conseguir na primeira tentativa.
No entanto, em 2016, aos 18 anos, Liliany descobriu uma Leucemia Linfoide Aguda (câncer no sangue), que suspendeu temporariamente a realização do sonho. Era preciso se dedicar primeiro à saúde. De acordo com ela, foram três anos de quimioterapias, cirurgia e várias transfusões de sangue. O tratamento ocorreu no Hospital do Câncer em Mossoró.

Liliany Mirelly Bezerra Alves, 21 anos, com os seus pais — Foto: Cedida
Agora ela está em remissão e precisa passar por avaliação médica a cada três meses. Durante o período em que foi submetida às quimioterapias, era mais difícil estudar.
"A gente perde um pouco o convívio com as pessoas, tem sequelas, em alguns momentos ficava sem conseguir andar, porque perdia as forças. Era impossível ficar em uma sala de aula. Quando estava em casa tentava mais, mas tinham os internamentos e até a situação psicológica", relata.
Perto do final do tratamento, no meio de 2019, o médico permitiu o retorno dela ao cursinho preparatório para o Enem.
A mãe, Mirian Bezerra de Morais, no entanto, lembra que a filha sempre foi muito estudiosa, mesmo quando estava no hospital. "Ela nunca desistiu. Estava sempre com o caderninho do lado, nunca reclamou da situação. Eu sou muito grata a Deus por isso. Existe um propósito para ela", declara.

Liliany Mirelly Bezerra Alves, 21 anos, ainda noivou durante o tratamento de câncer — Foto: Cedida
Para Liliany, toda a situação só deu mais forças para . "A ficha ainda não caiu. Sonhei muitos anos com isso, parece que ainda estou sonhando. Não parece que parece realidade, acho que só quando as aulas começarem. O tratamento me deu mais força de vontade, me apaixonei pela área, convivi diariamente com os profissionais, passei meses internada", lembra.
Ainda durante o tratamento, Liliany teve outra felicidade e disse sim ao pedido de casamento feito pelo namorado Mateus, que a acompanhou durante todo o processo. Ela também não esquece de agradecer ao apoio que recebeu da família e dos amigos. "Sou grada a Deus, principalmente, e às pessoas que oraram por mim", afirma.

Liliany Mirelly Bezerra Alves, 21 anos, está em fase de remissão e passa por avaliação médica a cada três meses — Foto: Cedida


*Do G1 RN.