terça-feira, 10 de novembro de 2015

JORNALISTA SANDRA MOREYRA MORRE AOS 61 ANOS VÍTIMA DE CÂNCER

Repórter lutava contra o terceiro câncer em 7 anos.
Sandra tinha 40 anos de carreira e participou de grandes coberturas.

Do G1: A jornalista Sandra Moreyra, uma das principais repórteres da Globo, morreu nesta terça-feira (10), no Rio. Ela tinha 61 anos e lutava contra um câncer.

Com 40 anos de carreira, Sandra participou de coberturas jornalísticas de importantes momentos do país.

Ela cobriu a morte de Tancredo Neves, o Plano Cruzado, o acidente radioativo em Goiânia, com Césio 137, a tragédia do iate Bateau Mouche, a Rio-92 e a ocupação do Complexo do Alemão.

Em outubro, a jornalista anunciou que descobriu que estava de novo com câncer. "Novamente estou sendo posta à prova. Mais um tratamento pra fazer. Eu amo a vida. E vou em frente”, postou ela.

Sandra enfrentava o terceiro câncer nos últimos sete anos, desta vez no mediastino – região torácica perto do esôfago.

O velório será na quarta-feira (11), das 12h às 17h30, no Cemitério Memorial do Carmo, no Rio. 


"Carioca e botafoguense. Sou mulher do Rodrigo, mãe da Ciça e do Ricardo, avó do Francisco e do Leon, que vem por aí em novembro", definia-se no Twitter. Casada com o arquiteto Rodrigo Figueiredo, ela era irmã da também jornalista e diretora da GloboNews, Eugenia Moreyra.  


40 anos de carreira
A repórter começou a carreira na Globo em Minas Gerais, na década de 1980. Logo depois, voltou para o Rio de Janeiro e passou a fazer reportagens para o RJTV, o Jornal Nacional, o Globo Repórter e o Bom Dia Brasil.

A cobertura que a jornalista considerava mais marcante foi o enterro dos mortos na chacina de Vigário Geral, em 1993.

“Na hora de escrever o texto, a matéria tinha uma carga de emoção tão forte, da dor daquelas pessoas, da violência, que pensei: 'Tenho que botar isso nas palavras mais simples'. Quando a matéria entrou no ar, foi um soco no estômago", relatou ao site Memória Globo.

"Ela estava muito mais forte do que eu poderia imaginar, porque consegui exatamente isso, lidar com a realidade sem querer ser mais do que ela, sem querer aparecer mais. No dia em que fiz aquela matéria foi quando senti: ‘Puxa vida, cresci. Que bom!”, completou.

Entre 1999 e 2004, atuou na GloboNews na parte gerencial e administrativa do jornalismo. No canal, também apresentou o programa Espaço Aberto Literatura. Depois, voltou a ser repórter na TV Globo.

Ela era considerada uma jornalista de múltiplos talentos: na edição, na reportagem e no vídeo. Seu texto era singular, com personalidade.

Luta contra o câncer
Nos últimos anos, chefiou o núcleo de reportagens especiais da TV Globo no Rio de Janeiro. Sem nunca ser vítima, tia Sandrinha, como era chamada pelos seus companheiros de redação, brigou pela vida até o fim.

Em 2008, descobriu e tratou um câncer no esôfago. Voltou ao trabalho e, em 2013, um exame de rotina constatou a volta da doença no mesmo órgão.

Sem voz depois do segundo tratamento contra o câncer, ela escreveu para que outros lessem. Na série de crônicas para o aniversário de 450 anos do Rio, Tony Ramos, Fernanda Montenegro, Milton Gonçalves foram alguns dos que deram voz às histórias que ela contava com tanto capricho. Seu último trabalho foi a série Cariocas Olímpicos.

Com muita dificuldade para engolir, ela nunca perdeu o gosto pela cozinha. Cozinhava, tirava fotos e publicava nas redes sociais.

Magrinha, descia todos os dias a rua de casa a caminho da academia. Quem sabe ganhava um pouco de massa muscular, dizia ela. Observava da janela da sala os tucanos e os sabiás do Jardim Botânico, onde morava. "Hoje mesmo eu ouvi um sabiá cantar feliz debaixo da minha janela. Sábias aves", escreveu no último dia 22. Na semana passada lamentou a queda de uma árvore na sua rua.

Nenhum comentário:

Postar um comentário