terça-feira, 2 de agosto de 2016

Conheça a biópsia líquida, nova arma na luta contra o câncer, usada no Brasil só para pulmão

Do Xerife: Uma técnica que torna possível o rastreamento de tumores a partir de fragmentos de DNA detectados diretamente da corrente sanguínea, possibilitando o acompanhamento do tratamento empreendido pelo oncologista e monitorando eventuais metástases ou a reincidência de tumores.
Esse é o princípio por trás da biópsia líquida, uma das principais ferramentas em desenvolvimento para aumentar o arsenal dos médicos na batalha contra o câncer.
Segundo a médica patologista e diretora da Sociedade Brasileira de Patologia (SBP), Gerusa Biagione, a técnica seria capaz de detectar precocemente até os menores tumores, uma vez que tem como princípio a identificação de fragmentos de DNA despejados no sangue pelas células tumorais. Isso permitiria a investigação de tumores a partir dos rastros genéticos da doença “soltos” no sistema sanguíneo.
“O princípio é simples e teoricamente rápido e proporcionalmente menos invasivo.
A biópsia líquida possibilita extrair informações genéticas fundamentais para a identificação do tipo de tumor, além de permitir visualizar especificamente as alterações moleculares acontecendo em tempo real.
Dessa forma, tanto a seleção do melhor tratamento quanto seu acompanhamento tornam-se mais assertivos.
Além disso, o rastreamento pelo sangue é muito menos invasivo e não representa nenhum tipo de risco para o paciente”, explica.
A patologista ainda salienta que, por mais promissora que seja, a versão líquida não substitui as biópsias convencionais, que servem como norte para o trabalho de qualquer oncologista.
“ Apesar do volume de material na análise sanguínea ser ilimitado, a biópsia comum ainda segue como ponto de partida para qualquer diagnóstico de câncer.
O patologista continua fundamental na luta contra a doença, analisando esses fragmentos de tecido artesanalmente no microscópio para detectar tumores e, além disso, indicar a melhor conduta terapêutica”, ressalta.
Até o momento, a aplicação da biópsia líquida encontra-se restrita ao controle de tumores já diagnosticados e no acompanhamento do tratamento.
Nos Estados Unidos já são mais de 50 tipos de câncer que podem ser identificados e acompanhados dessa forma, enquanto no Brasil a técnica só é utilizada para o monitoramento do câncer de pulmão.

Nenhum comentário:

Postar um comentário